Foi preso na manhã desta segunda-feira (20), um médico de Uberaba, no Triângulo Mineiro, suspeito de compartilhar e financiar a produção de material de pornografia infantil. De acordo com as investigações, ele agia junto com um australiano, que foi preso em fevereiro, e uma mulher filipina, que eram responsáveis por produzier vídeos de crianças sendo abusadas e violentadas sexualmente. O crime era praticado desde 2012.

O médico teria ensinado a dupla a obter remédios para dopar as vítimas antes dos abusos. O brasileiro também é suspeito de financiar os autores em troca de vídeos e fotos produzidos pelo casal.

O material era compartilhado na chamada "deep web" ou "dark web", uma área da internet que só pode ser acessada com a utilização de softwers específicos que permitem a negação de forma anônima.

O suspeito nascido na Austrália foi detido pela polícia filipina, com a ajuda da Polícia Federal da Holanda. Não foram divulgados detalhes da operação, chamada de Mr. Hyde, em referência à obra “Dr. Jekyll and Mr. Hyde”, que no Brasil recebeu o título de “O médico e o monstro”.

O médico brasileiro deve responder pelo armazenamento e publicação de pornografia infantil, bem como pelo financiamento de organização criminosa internacional.