Os médicos da rede pública de Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, realizarão a segunda paralisão dos atendimentos neste mês de dezembro. Entre quarta-feira (28) e sábado (31) apenas os serviços de urgência e emergência serão mantidos. A categoria cobra o salário atrasado do mês de outubro.

Em assembleia no dia 12 de dezembro, no Hospital Municipal 25 de Maio, os médicos haviam decidido por duas paralisações em dezembro caso a prefeitura não pagasse integralmente o mês de outubro até as datas previstas para a suspensão dos atendimentos. Sem retorno, a categoria parou suas atividades nos dias 19,20 e 21 de dezembro. 

Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), mais uma vez eles ficaram sem retorno e, por isso, manterão o acordo feito na assembleia e farão uma nova paralisação. 

O sindicato informou que, em documento assinado com o Ministério Público, a Prefeitura se comprometeu a quitar a folha de outubro integralmente até o último dia 6 para todas as categorias de servidores. No entanto, os médicos ficaram de fora, recebendo apenas setembro, que também estava atrasado. 

Conforme o Sindmed-MG, a atitude revoltou a categoria que, assim como qualquer cidadão, tem contas a pagar e compromissos a cumprir. O diretor de Saúde Pública, Samuel Pires, afirmou que "os médicos não estão pedindo nada além do que lhes é de direito, ou seja, o pagamento dos salários, para que possam honrar seus compromissos".

Além do atraso dos salários, o sindicato disse que a categoria está preocupada com a terceirização da saúde no município. De acordo com eles, hoje a maioria dos médicos trabalha via Cismep (Consórcios de Saúde), opção considerada pelo Sindmed-MG como uma forma de burlar o sistema de concurso público. Eles também ressaltam que a população vem sofrendo as consequências do descaso à saúde, com as equipes desfalcadas e vários tipos de precariedades.

Leia mais:
Médicos fazem greve de 48 horas em Esmeraldas