O processo de manejo das capivaras que hoje habitam a Lagoa da Pampulha ganha nesta semana um novo capítulo. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) de Belo Horizonte garantiu que o trabalho de remoção dos roedores será reiniciado.

Na sexta-feira (27), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) vai liberar a licença para o manejo dos animais silvestres. No mesmo dia, técnicos vão começar a fazer a castração das capivaras. Dois dias antes, a Prefeitura de BH vai assinar um contrato para a prestação do serviço.

Atraso no cronograma

A retirada dos roedores do cartão-postal de Belo Horizonte foi adiada, segundo a SMMS, porque a empresa que venceu a licitação para executar o serviço desistiu na véspera da assinatura do contrato, prevista para 24 de julho deste ano.

Além do atraso no cronograma, conforme o Executivo, foi necessário estudo e autorização para a destinação dos recursos destinados ao projeto. "Esta é uma operação que depende da anuência do Conselho Municipal de Meio Ambiente. O processo em questão foi aprovado, por unanimidade, no dia 28 de agosto de 2017", informou a secretaria por meio de nota.

O novo processo licitatório foi dispensado depois que uma equipe especializada procurou a secretaria, "o que permitiu que a pasta requeresse a contratação direta da referida equipe mediante inexigibilidade de licitação". O processo foi encaminhado à Procuradoria Geral do Município, que aprovou o parecer nesta semana. 

O primeiro cronograma previa a realização do trabalho em 12 meses. Depois de esterilizados, os animais devem ser levados para uma área já delimitada perto do Parque Ecológico da Pampulha. 

Estima-se que, atualmente, de 85 a 100 capivaras estejam vivendo na orla da lagoa. 

Leia mais:
Projeto de manejo das capivaras na Pampulha ainda não saiu do papel