A Marcha da Defesa Animal, que acontece em várias cidades do Brasil simultaneamente, leva até o momento cerca de 150 pessoas à Praça da Estação, em Belo Horizonte. De lá, os manifestantes sobem as avenidas Amazonas e Afonso Pena até a Praça Rio Branco.

Segundo a coordenadora de projetos especiais da ONG Missão Paz, Valéria Evangelista, está sendo reivindicado a proibição de veículos com tração animal em Minas (como carroças), um hospital público para animais, fim dos abatedouros, extinção dos testes em animais em laboratórios e penas alternativas para complementar punição à quem maltrata animais.

Esta é a segunda edição do evento na capital mineira. No ano passado, a passeata aconteceu em 1º de agosto e várias entidades foram chamadas para participar do ato, como a Associação dos Bombeiros Voluntários de Minas Gerais.

PELO PAÍS

Em Foz do Iguaçu, no Paraná, uma marcha para reivindicar, entre outros, o aumento das penas nos casos de maus-tratos, castração e vacinação gratuitos e a construção de hospitais veterinários públicos. Por lá, entre os abusos mais comuns, os organizadores destacam o uso de cavalos na tração de carroças e o abandono frequente de animais domésticos.

Em São Paulo, o Santuário Felino está recolhendo doações para os animais entre ração para cães e gatos, latinhas de patê, medicamentos, lençóis, toalhas, jornais, caminhas entre outros produtos para pets.