A oferta de educação integral no ensino médio está perto de se tornar realidade em Minas. Pelo menos é o que garante a Secretaria de Estado de Educação (SEE), que deve iniciar a nova modalidade no próximo dia 10 de abril, em 44 das 2.236 escolas mineiras de ensino médio.

Ao todo, 9.640 estudantes estão matriculados no 1º ano do ensino médio no Estado nessas 44 escolas. A expectativa é que, até 2019, os três anos do Ensino Médio ofertem a educação integral. Esse ano, segundo a pasta, serão investidos pelo MEC mais de R$ 19 milhões em Minas. 

O Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral foi instituído em outubro de 2016 pelo Ministério da Educação (MEC). Com a mudança, a jornada escolar passará de 800 para 1.400 horas/aula anuais. O prazo para implantação é de cinco anos

Na última semana, o governo do Estado apresentou o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. O objetivo do encontro foi debater e pensar, conjuntamente, uma primeira proposta para implantação da educação integral no ensino médio nas escolas do Estado.

“A nossa tarefa é transformar a escola em um ambiente favorável à permanência do jovem, ao seu crescimento, que garanta o direito ao conhecimento, à aprendizagem e à formação humana plena. Uma educação que pense no desenvolvimento do ser humano e na convivência democrática”, destacou a secretária de Educação, Macaé Evaristo.

Proposta

De acordo com a SEE, a proposta pedagógica do programa está baseada nos princípios da inclusão, da equidade, do direito à aprendizagem e do protagonismo juvenil. 

“As aulas e atividades complementares se desenvolverão com a participação e a presença contínua dos estudantes, professores e equipe gestora em todos os espaços e tempos da escola”, explica a superintendente de Juventude, Ensino Médio e Educação Profissional da Secretaria de Estado da Educação, Cecília Resende.

Questões

Segundo a subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica, Augusta Mendonça, a proposta está centralizada nos jovens. “Precisamos saber como eles irão aproveitar o tempo na escola, quais os arranjos serão necessários para colocar em prática o planejado. Além disso, temos que compreender como iremos tratar os jovens que estão vinculados ao mundo do trabalho”, afirma. 

Para ser aprovada, cada escola do Estado deve ter um mínimo de 350 estudantes matriculados no ensino médio, sendo 120 apenas no 1º ano.