Ao som de "Baianidade Nagô", uma das músicas mais clássicas do axé, o Baianeiros e o Bloco da Proibida abriram a "saideira" do feriado de Carnaval neste domingo (18), na Pampulha, em Belo Horizonte. 

O cortejo, que estava planejado para sair ao meio-dia, começou com uma hora de atraso. Mas a demora não desanimou os foliões. 

Mesmo após fazer uma promessa de Quaresma, a estudante Rayanne Rodrigues, de 24 anos, foi acompanhar o último dia de festa, desta vez bebendo água. 

"Pior que decidi que não beberia álcool na Quaresma. Então, vim com água mesmo. Mas, por mim, poderia ter mais uma semana de Carnaval, não quero que acabe", afirma. 

Quem também não quer o fim da festa é o ambulante Davidson Gomes Dias, de 30 anos, que ainda não vendeu todo o estoque de bebidas que comprou para comercializar durante o evento. 

"Ano passado, não me planejei direito e os produtos acabaram antes mesmo do fim do feriado. Este ano investi R$ 5 mil, mas ainda tenho um resto de carga para vender", conta. 

A estratégia do ambulante é baixar os preços das cervejas para incentivar os foliões a comprar: "os outros vendedores não gostam, mas o que vou fazer com o estoque? Ou terei que repassar para o varejo ou beber tudo", diz.

Leia mais:

Belo Horizonte se despede do Carnaval com programação neste domingo