Uma grande empresa atacadista de Boa Esperança, no Sul de Minas, foi alvo de uma operação para apurar fraudes fiscais. Realizada por uma força-tarefa composta pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Receita Estadual e Polícia Civil, a ação cumpriu cinco mandados de busca e apreensão na cidade. Participaram da ação, três promotores de Justiça, três delegados de polícia, 20 agentes da Polícia Civil e 30 auditores fiscais.

Intitulada Filho Pródigo, a operação é resultado da descoberta da Receita Estadual de um possível milionário esquema de sonegação fiscal envolvendo a simulação de remessas de mercadorias entre uma empresa do estado de Goiás e o atacadista de Boa Esperança. Para acobertar compras de mercadorias sem nota fiscal, eram forjadas notas fiscais frias pela filial goiana do atacadista mineiro.

O esquema teria acontecido entre 2015 e 2017, rendendo cerca de R$ 1,5 milhão por mês de lucro aos investigados e um prejuízo de R$ 100 milhões aos cofres públicos. Os suspeitos estão sendo investigados pelos crimes de sonegação fiscal e organização criminosa. Em caso de condenação, as penas podem chegar a 10 anos de reclusão.

Fonte: MPMG