A Polícia Civil (PCMG) e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) deflagaram, na manhã desta terça-feira (19), a operação “Pedra Vermelha”, que investiga irregularidades em contratos entre a Prefeitura de Itabirito, cidade da região Central de Minas, e prestadores de serviços.

Foram cumpridos dez mandados de prisão – incluindo dois secretários do município – e 17 de busca e apreensão, por indícios de práticas de crimes de organização criminosa, fraude à licitação, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Mais de 70 integrantes da Polícia Civil e três promotores de Justiça participaram da ação. Até mesmo um helicóptero foi usado na operação.

Segundo o MPMG, a operação visa combater fraudes em licitações destinadas à contratação de empresas que executam serviços de transporte escolar e de pavimentação. Também são investigados supostos desvios de recursos públicos na destinação de verbas do Fundo de Desenvolvimento de Itabirito (Fundi). Os promotores acreditam que o rombo nos cofres públicos do município seria superior a R$ 200 milhões.

A reportagem ligou para diferentes números de telefone da Prefeitura de Itabirito, mas ninguém atendeu.