Após os casos de mortes investigadas por possível relação com o jogo macabro Baleia Azul, a Polícia Federal de Pernambuco alerta que criminosos estão roubando dados dos participantes dos grupos, que passam a ser coagidos pelos "mentores". Em Minas Gerais, a Polícia Civil investiga a morte de um rapaz de 19 anos em Pará de Minas. O jovem particiapava de um grupo de whatsapp do jogo Baleia Azul, que tem como desafio final o suicídio.

A PF explica que os "administradores" conseguem dados como, por exemplo, nome completo da possível vítima, escola em que estuda, média de notas escolares, cidade, endereço, IP e nome de amigos próximos. Em seguida, eles passam a fazer ameças, forçando o adolescente a interagir com eles e a obedecer ordens de  automutilação. “Desenhe uma baleia com estilete no braço, depois tire uma foto quando estiver sangrando e me envie. Você, seus amigos e sua família correm perigo, espero que você salve a eles. Dez minutos para a conclusão, fico no aguardo",diz o texto divulgado pela PF sobre o modo de ação dos criminosos do Baleia Azul. Apesar do alerta divulgado, nenhum caso relacionado ao jogo Baleia Azul está sob investigação da Polícia Federal em Permanbuco.

O alerta vai principalmente para os pais, uma vez que os adolescentes e até crianças que utilizam muito as redes sociais são vítimas em potencial, tanto pela fragilidade quanto pela falta de maldade ao colocar os dados e informações pessoais na internet. 

"Esse jogo pode atrair não só aqueles em situação vulnerável, mas também outros, pela sedução da emoção que os desafios propõem. Pessoas fragilizadas por eventos traumáticos, isoladas emocionalmente, que possuem dificuldade em confiar ou que se sentem cobradas e exigidas em demasia são mais propensas a desenvolver quadros depressivos que as tornam alvos fáceis para esse tipo de manipulação", publicou a PF. 

A conduta dos mentores do Baleia Azul é criminosa. De acordo com Código penal, "induzir (criar a ideia de suicídio em alguém), instigar (incentivar alguém que já estava pensando em suicídio) ou auxiliar (ajudar materialmente o suicida) o suicídio de outra pessoa é crime", com pena de dois a seis anos de prisão caso o suicídio se consume ou de um a três anos caso a tentativa de suicídio resulte em lesão corporal grave. 

No caso de menores, os atos estão ainda sujeitos às penalidades instituídas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. E a indenização deverá ser paga pelos responsáveis legais.

Onde buscar ajuda:

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. O serviço funciona 24 horas por dia pelo telefone 141, por e-mail, chat ou Skype.

Leia mais:
Polícia investiga morte de jovem no Ribeiro de Abreu; família vê ligação com jogo Baleia Azul
Perícia em celular de possível vítima do Baleia Azul em Minas fica pronta na quarta-feira
Referência ao jogo Baleia Azul cresce nos pedidos de ajuda ao CVV
CVV: conheça o trabalho dos 'Voluntários da Vida' em Belo Horizonte