Uma mulher de 46 anos foi presa na noite dessa quinta-feira (10), em Cabo Verde, região Sul de Minas, suspeita de raptar um bebê de 4 meses. Com ela, foram presas também a nora e a filha dela, além do taxista que a teria transportado com a criança, por ajudarem no crime.

Na quarta (9), a suspeita teria ido até a casa da vítima, às margens da BR-146, no distrito de São Bartolomeu, acompanhada da nora e do neto, com a desculpa de pedir um copo d´água. No outro dia, na quinta, ela voltou de táxi e ofereceu um suco à mãe da criança. A bebida continha um medicamento tarja preta dissolvido, fazendo com que a vítima desmaiasse.

Assim, a mulher aproveitou para raptar o bebê e fugir de táxi até a área rural entre Mogi Guaçu e  Espírito Santo do Pinhal, em São Paulo. Foi a irmã da vítima, de 14 anos, que a encontrou desmaiada em casa e chamou a polícia, logo que perceberam a ausência do bebê. 

Durante as investigações, a Polícia Militar chegou até o taxista, de 69 anos, que contou sobre o paradeiro da mulher. O taxista teria recebido a quantia de R$ 450 pela corrida, valor acima do normal para o trajeto realizado que seria de R$ 250 a R$ 300. 

De acordo com a Polícia Civil de Botelhos, para onde os suspeitos foram levados, a raptora disse que decidiu sequestrar a criança, porque havia sofrido um aborto e não queria decepcionar o namorado, que estaria muito empolgado em ser pai. Assim, foi até a casa da vítima e raptou o bebê.    

A PC acredita que o crime tenha sido premeditado porque a suspeita já tinha em seu poder uma certidão de nascimento autêntica, emitida em São Paulo. Depois da prisão dos quatro suspeitos, a PM devolveu o bebê à mãe.