O preço dos combustíveis volta a subir em setembro. Após sofrer queda de 0,77% em agosto deste ano, os valores nas bombas tiveram elevação média de 0,96%, segundo levantamento feito pelo Procon da Assembleia. Quem mais encareceu foi o etanol, 2,48%. O reajuste da gasolina comum foi mais discreto, 0,22%. O gás natural veicular (GNV) ficou em média 1,71% mais barato e, o diesel, 0,38% mais caro.

O Procon Assembleia constatou que o litro do etanol está custando entre 61% e 104% do preço cobrado pelo litro da gasolina comum. Segundo cálculos de especialistas, para quem tem carro bicombustível, abastecer com etanol só é vantajoso se essa proporção for inferior a 70% devido ao maior consumo do combustível derivado da cana. Os postos são obrigados a informar esse percentual em locais visíveis e próximos às bombas de abastecimento.

A diferença percentual de preços entre o litro de combustível mais barato e o mais caro pode chegar a 49,14%. O etanol custa desde R$ 2,145 por litro (região Nordeste) até R$ 3,199 (Pampulha), uma disparidade de R$ 1,05 por litro. Para a gasolina comum, a gasolina aditivada e o diesel, a variação entre o preço mais baixo e o mais alto fica entre 24% e 25% nos estabelecimentos pesquisados.

Regionais

Na análise por região, o Procon destaca que a gasolina comum ficou um pouco mais barata nas regiões Nordeste (-0,61%), Barreiro (-0,40%) e Noroeste (-0,14%). O etanol encareceu em todas as regiões, com destaque para a Pampulha (6,54%), Venda Nova (4,87%) e Barreiro (4,53%).

A pesquisa foi feita entre os dias 26 e 29 de setembro deste ano em nove regiões da capital e em alguns estabelecimentos de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.