As primeiras árvores infestadas pelos besouros da espécie Euchroma gigantea, mais conhecido como Gigante Besouro Metálico, começaram a ser cortadas nesta quarta-feira (8). Uma força-tarefa foi montada pela Defesa Civil da capital, BHTrans e Secretaria de Meio Ambiente para supressão ou poda de ao menos 50 espécimes até o início do Carnaval.

“Estamos monitorando a existência de um inseto que está infectando algumas árvores em Belo Horizonte. Estamos lidando com um inseto que age de forma lenta, mas dependendo da duração do seu contato com as raízes esta árvore pode vir a tombar. O monitoramento está sendo feito em 1.800 árvores e, mais intensamente, neste período, nas 50 que estão no trajeto dos blocos de carnaval”, disse o secretário municipal de Meio Ambiente, Mário Werneck.

Nas primeiras horas do dia, técnicos da Defesa Civil estavam na rua dos Otoni, no bairro Funcionários, região Centro-Sul da capital, fazendo a primeira supressão. De lá, eles seguiram para outro endereço para o prosseguimento dos trabalho. No total, 25 árvores serão podadas e outras 25 suprimidas.

Perigo

O coronel Alexandre Lucas, coordenador da Defesa Civil Municipal, revelou que 70% das árvores monitoradas estão nas regiões Centro-Sul e Leste, onde também se concentram a maioria dos desfiles dos blocos. “Este controle já está sendo feito há cerca de quatro meses e será intensificado na área de desfile dos blocos, devido ao aumento da circulação de pessoas. São cerca de 350 blocos, mais de 400 desfiles e alguns contando com mais de 50 mil pessoas. Para garantir a segurança, estamos trabalhando com parâmetros recomendados pela Organização das Nações Unidas”, explicou.
 


Euchroma gigantea

Conforme a Defesa Civil, o Gigante Besouro Metálico deposita suas larvas nas árvores, adoecendo-as e, em muitos dos casos, levando-as à morte. Para combater o inseto e fazer o controle da praga, a prefeitura está fazendo a avaliação e monitoramento com o objetivo de entender melhor a biologia do inseto. 

Entre as principais medidas de controle, estão a captação de insetos adultos para reduzir a população do organismo livre no ambiente e a utilização de armadilhas que atraem adultos, fêmeas e machos, para reduzir a população. 

besouros da espécie Euchroma gigantea, mais conhecido como Gigante Besouro Metálico
O Gigante Besouro Metálico deposita suas larvas nas árvores, adoecendo-as e, em muitos dos casos, levando-as à morte
 

“Estamos fazendo estudos para a injeção de inseticidas nos troncos das árvores. Esses inseticidas são chamados de sistêmicos, não têm contato nenhum com a população e vão agir dentro da planta para controlar o inseto, sem nenhum risco para nenhum outro organismo”, explicou o doutor em entomologia e técnico da secretaria municipal de Meio Ambiente, Dany Sílvio Amaral. 

Leia mais:
Infestação de besouros coloca em risco árvores em BH; espécies serão cortadas na rota de foliões