Uma quadrilha especializada em explosão de caixas eletrônicos, que protagonizou os primeiros ataques a estabelecimentos bancários deste ano na região da Zona da Mata mineira, foi desarticulada. Cinco homens e uma mulher foram presos pelo crime. Entre os detidos está um foragido do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A caçada aos suspeitos ocorreu desde a madrugada da última quarta-feira (10), quando o bando tentou explodir uma agência bancária em Dores do Turvo, na mesma região. “O grupo foi descoberto por um vigia no momento que invadiam o banco. Os explosivos acabaram não detonando e eles fugiram do local. O Bope (Batalhão de Operações Especiais) foi acionado para desarmar os explosivos”, relata o subchefe da sala de imprensa da Polícia Militar, capitão Cristiano Araújo.

No planejamento para a ação criminosa, o grupo utilizou pessoas que conheciam a região, além de monitoramento da rotina dos estabelecimentos bancários e de toda a cidade. “Eles conheciam as principais rotas de fuga. Um deles foi conhecido pelo vigia porque um dia antes da tentativa de ataque ao banco, o vigilante viu que o veículo passou a tarde observado o abastecimento de valores no banco”, explica o capitão.

Força-tarefa

Em uma operação realizada em conjunto pelas forças de segurança do Estado, a polícia conseguiu prender dois suspeitos em Belo Horizonte, na região do Barreiro, outro em Viçosa, e os demais na zona rural na região de Dores do Turvo. “Entre os presos está o de maior periculosidade e que havia fugido do complexo penitenciário de Contagem”, completa o capitão Cristiano.

A PM também conseguiu apreender o vasto material utilizado nos ataques a bancos. Além dos explosivos, a polícia encontrou dez armas, sendo cinco pistolas, três revólveres e duas espingardas calibre 12.

A polícia ainda segue em operação na tentativa de localizar o sétimo suspeito de integrar a quadrilha.

Dados

Segundo dados da Polícia Militar, a força-tarefa já desarticulou pelo menos sete quadrilhas que atuavam em ataques a bancos em Minas. Entre as mudanças na estratégia utilizada no Estado está o mapeamento das regiões.

“As forças de segurança do Estado contam com esse mapeamento que ajuda a identificar de maneira rápida e precisa possíveis locais de rotas de fuga, o que facilita a prisão desses autores”, reforça o subchefe da sala de imprensa da PM, capitão Cristiano Araújo.

Leia mais:
Arrombamento de caixa eletrônico termina em tiroteio e dois presos na Zona da Mata