A greve dos servidores de Educação Infantil de Belo Horizonte pode estar próxima de ter um fim. Após o anúncio, nesta terça-feira (12) de que o prefeito Alexandre Kalil retomará as negociações com a categoria no mesmo dia em que as professoras voltarem à sala de aula, uma assembleia para discutir a suspensão da paralisação foi marcada às 14h30. 

Antes, o período dado por Kalil era de 24 horas para recomeçar as negociações salariais e de categoria. Segundo a diretora do Sindicato dos Trabalhadores da Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede), Neide Resende, o encurtamento do prazo abre possibilidades para que a greve seja suspensa ainda nesta terça. 

“Já é melhor negociar no mesmo dia do que 24 horas depois. A categoria estava disposta a suspender a greve caso isso ocorra. Então, existe uma chance de que ela acabe hoje sim”, afirma. 

O prefeito ainda definiu, em reunião com vereadores da base de governo da Câmara Municipal nesta terça, que não cortaria o ponto dos trabalhadores que voltassem à sala de aula até a próxima sexta (15). Conforme o último levantamento feito pelo Sind-Rede, feito na última sexta (8), 34% das servidoras da educação municipal estavam paralisadas. 

A diretora do Sind-Rede lembra que a folha de ponto de abril, no entanto, já foi cortada. Hoje, a categoria completa 50 dias em greve. “Nós defendemos que a prefeitura deveria pagar os dias cortados e não ter o corte de maio”, diz. Segundo a proposta da PBH,  quem retornar ao serviço até o fim da semana entraria no calendário de reposição de aulas. 

Professora da Educação Infantil do município e conselheira de educação da capital, Antonieta Viana é uma das 15 servidoras acampadas na porta da prefeitura. Com a expectativa de retomar as negociações salariais, ela acredita que há uma “grande chance” de a greve ser suspensa hoje mesmo. 

“A categoria ainda está dividida porque não confia se a prefeitura vai chegar no que queremos, que é a unificação dos servidores. Nós sabemos que isso cabe no orçamento, a gente não vai quebrar o município”, afirma.

Leia mais:
Kalil promete não cortar salário de professor que encerrar greve até sexta-feira
Pelo menos 125 escolas ficam sem aula no primeiro dia de paralisação dos servidores do Estado