Incentivar o comportamento empreendedor, apoiar a transferência de tecnologias e aumentar a densidade de startups no âmbito universitário. Essa é a missão que os professores selecionados no programa Startup Universitário, coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), terão ainda neste ano dentro de sala de aula.

A ideia é capacitar e apoiar os docentes para que esses incentivem a inovação e empreendedorismo dos estudantes de universidades públicas e particulares em Minas. Com a iniciativa, espera-se o desenvolvimento dos ecossistemas universitários nas instituições de ensino. 

Das mais de 500 inscrições recebidas, foram selecionados cem professores de 38 cidades mineiras. Um dos escolhidos é Débora Rosa Nascimento, docente do curso de engenharia de produção do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) de Governador Valadares, no Leste de Minas.

Atuante em projetos de extensão na universidade, Débora começou a pesquisar temas relacionados à inovação. Por conta desse trabalho, foi procurada pela reitoria e convidada a participar do programa, “Fiz a inscrição e agora vejo a oportunidade de difundir um ambiente de inovação e impactar a cidade como um todo”.

A professora afirma que os alunos comemoraram a aprovação dela no edital. “Vários se colocaram à disposição para o projeto, antes mesmo de começar. Tem muita gente já envolvida e engajada”, conta.

“Com o plano de trabalho construído, a Sedectes pode ceder bolsas para que alunos da graduação auxiliem os professores no desenvolvimento das atividades, caso necessário” (Gabriella Sant’Anna, da Sedectes)

Entusiasmo

Professor de uma instituição de ensino superior em Uberaba, no Triângulo, o professor Marcelo Lucas Martins está animado para começar os trabalhos. “Atuo em disciplinas como empreendedorismo, gestão de pessoas, e sempre diretamente envolvido com projetos de inovação de forma muito intensa. O aluno tem que ser protagonista, tem que ser provocado a pensar de forma diferente”, enfatiza.

O docente, que fez parte da equipe organizadora do Weekend2017 em Uberaba, também é fundador de uma startup na área de educação. “Uma iniciativa como essa do governo do Estado é louvável. Reunir pessoas em prol de uma educação empreendedora e fomentar isso dentro das instituições de ensino será um movimento fantástico. Precisamos modernizar a educação”.

“Será aberto um processo de seleção. Os docentes vão indicar as startups para receberem o apoio” (Gabriella Sant’Anna, da Sedectes)

Até o fim de abril, os professores participarão de capacitação em educação empreendedora e projetos inovadores. Depois, serão acompanhados por uma equipe especializada para a construção de um plano de trabalho das atividades a serem desenvolvidas na instituição de ensino onde atuam.

Auxílio de até R$ 15 mil

A quarta e penúltima fase do programa Startup Universitário contempla auxílio à criação de até cem empresas de base tecnológica. Cada uma poderá ser apoiada com até R$ 15 mil em materiais de consumo, equipamentos e serviços especializados para desenvolverem protótipos sob a orientação do professor.

“Os docentes vão indicar as startups para receberem o apoio”, completa Gabriella Sant’Anna, gestora de projetos de empreendedorismo da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes).

Minas Digital LAB

Todas as universidades com professores participantes no projeto poderão pleitear a instalação de um Minas Digital LAB, que tem como premissa a transformação da instituição de ensino superior em um hub das ações de empreendedorismo e inovação da comunidade da cidade.

Serão ambientados até 34 Minas Digital LABs, sendo um por município. “Estes espaços serão fundamentais para a propagação de uma cultura empreendedora e fomentar a integração entre universidade, governo e indústria”, destaca a gestora da Sedectes.