Pouca gente sabe, mas o local onde hoje funciona o Mercado Central, um dos principais pontos turísticos de Belo Horizonte, abrigou o primeiro estádio de futebol construído na cidade. 

O “Estádio do América” foi inaugurado extraoficialmente em 1922 em um jogo entre América e Palestra Itália (atual Cruzeiro),  e oficialmente em 1923, em um jogo interestadual, em que o América perdeu de 5 a 1 para o xará carioca. Menos de uma década depois, entre 1927 e 1929, ele foi demolido para a construção do novo mercado da cidade.

Essa é só uma das histórias que alunos de Comunicação Social da UFMG descobriram, para um trabalho de conclusão do curso, mapeando estádios construídos e demolidos em algum momento dos 120 anos de história da capital mineira.

Campo do Sport Club, Campo do Yale, Estádio do Alameda, entre outros. O site do projeto reúne histórias de 16 campos de futebol que BH já teve. 

Algumas curiosidades chamam atenção, como histórias que já entraram para a mitologia do futebol mineiro. O jogo disputado entre o Clube “Athletico” Mineiro e o Palestra Itália no dia 27 de novembro de 1927, cujo placar elástico a favor do primeiro, de 9 a 2, alimenta até hoje a rivalidade entre os clubes é um desses exemplos. 

O projeto Campos Invisíveis foi idealizado e realizado pelos estudantes Carlos Oliveira, Gabriel Amorim, Ives Teixeira Souza e Lucas Sousa, sob a orientação do professor Carlos d’Andréa e do jornalista Enderson Cunha. 

Segundo os idealizadores, “estes campos são, hoje, invisíveis pois foram derrubados para a construção de empreendimentos diversos, com pouca ou quase nenhuma ligação com o futebol”. 

A localização dos estádios, as datas de construção e demolição e outras histórias podem ser consultadas no site.