O projeto que busca reduzir as taxas de distorção idade/ano dos estudantes da rede estadual mineira está sendo ampliado. Neste ano, o “Elevação da Escolaridade Metodologia Telessala” irá contemplar 904 escolas de 486 cidades do Estado. A proposta permite a conclusão dos anos finais do ensino fundamental e garante o direito de todos à aprendizagem.

Implantado em 2016, o programa, desenvolvido pelo governo de Minas por meio da Secretaria de Estado de Educação (SEE), atencia a cerca de 12 mil alunos de 15 Superintendências Regionais de Ensino (SREs). Agora, com a ampliação do projeto, serão 20.576 estudantes de todas as 47 regionais.

“O resultado das ações realizadas em 2016 foi muito positivo. Os estudantes se sentiram valorizados com a oportunidade de aprendizado e a relação professor e aluno ficou muito fortalecida”, destaca a superintendente de Desenvolvimento da Educação Infantil e Fundamental, Eleonora Xavier Paes.

A iniciativa destina-se a estudantes maiores de 14 anos e menores de 18 anos que apresentem pelo menos dois anos de distorção idade/ano de escolaridade e estudos parciais nos anos finais do ensino fundamental. O aluno também deve saber ler e escrever. Há possibilidade de pessoas até os 20 anos serem atendidos pelo projeto caso, por exemplo, no município em que vivem não seja ofertada a Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Foco

Com uma metodologia diferenciada, o projeto tem como foco a unidocência. Os alunos que atendem aos requisitos estipulados são agrupados em turmas específicas e contam com um professor responsável por trabalhar todos os conteúdos.

Na Escola Estadual Coração de Jesus, em Varginha, no Sul de Minas, a metodologia começou a ser implantada este ano. Mesmo estando no início, a especialista da escola, Isabel de Souza Romanelli Teles, diz já ver resultados. “São apenas duas semanas de aula, mas os alunos estão respondendo muito bem. Muitos dos estudantes que participam das aulas me davam muito trabalho. Agora eles têm uma perspectiva de futuro. Já pensam em fazer o ensino médio”.

A educadora também ressalta a importância do docente para o sucesso da iniciativa. “São professores que têm experiência de lidar com a turma e trabalham a autoestima dos alunos. Isso é muito importante”.

Metodologia

O projeto é dividido em três módulos e cada um trabalha um eixo temático. Na etapa I, é estudado “O ser humano e sua expressão”, com foco nos componentes curriculares: língua portuguesa, ciências e educação física. Já na II, o eixo “O ser humano interagindo com o espaço” trabalha prioritariamente geografia, matemática e ensino religioso. 

O tema do módulo III é “O ser humano em ação e sua participação social”, no qual são enfatizadas as disciplinas de história, língua estrangeira moderna inglês e arte.

A cada etapa, os componentes curriculares são abordados a partir de teleaulas que duram em média 15 minutos e são contextualizados seguindo atividades orais, escritas, de leitura e práticas, coletivas e individuais, adequadas às dúvidas surgidas em sala de aula.