Reforçar ações de segurança voltadas para as mulheres e fiscalizar o cumprimento de medidas protetivas são os propósitos do aplicativo Alerta MG, ferramenta lançada ontem pelo Governo de Minas. Na ocasião, foram entregues 13 carros para municípios que têm Centros de Referência de Atendimentos às Mulheres.

“Precisamos dar estrutura para os profissionais que trabalham no socorro à mulher depois que ela sofre trauma, violência ou ameaça”, destacou o governador Fernando Pimentel.

O Alerta MG permitirá a criação de uma rede privada de contatos para que a usuária possa, com apenas um clique, acionar as pessoas que ela mesma cadastrou quando vivenciar qualquer situação de risco ou perigo. O app envia um SMS para todos os contatos pré-indicados, anexando a localização georreferenciada e eventual texto redigido pela usuária.

Agilidade

Outra função, disponível para mulheres cadastradas pela Polícia Civil, de acordo com critérios previamente definidos, habilita um acionamento emergencial, possibilitando a geração de um alerta em uma central de monitoramento com o imediato deslocamento das forças de segurança para o atendimento.

A central acompanhará em tempo real o deslocamento da vítima e manterá contato com a equipe que foi direcionada para atualizar as informações. Esta função estará, neste momento, disponível para a capital, e depois será ampliada para o interior.

“Ele (o Alerta MG) coloca a tecnologia a serviço da proteção das mulheres, do combate à violência contra a mulher. O aplicativo é muito fácil e qualquer mulher pode usar para se sentir mais segura. Nós devemos divulgá-lo. É uma conquista tecnológica que está agrega ao nosso trabalho”, enfatizou Pimentel.

Investimento

O Alerta MG foi desenvolvido com a expertise da Polícia Civil, sendo necessária apenas a aquisição de equipamentos para testes e implementação do projeto piloto, o que demandou investimento de cerca de R$ 45 mil, oriundos de emenda parlamentar. O aplicativo está preparado para receber novas funcionalidades, visando o amplo atendimento, orientação e proteção a mulher.

“Esta é uma plataforma tecnológica voltada à informação, orientação, prevenção e proteção, bem como a fiscalização das medidas protetivas. É inovador e está em sintonia com a utilização da tecnologia para o combate a qualquer tipo de violência. O maior objetivo é encorajar toda e qualquer mulher a romper com esse ciclo de violência e sair desse silenciamento”, disse a chefe do Departamento de Investigação, Orientação e Proteção à Família, delegada-geral Carla Cristina Vidal. 

A deputada Marília Campos, que representou a Assembleia Legislativa de Minas Gerais, ressaltou que as medidas fortalecem as políticas voltadas para a proteção dos direitos das mulheres. 

“Muito se cobra sobre qual é a obra, mas a obra é construir um novo padrão de relacionamento. A obra é conseguir, de fato, uma cultura de combate à discriminação, ao preconceito, é garantir que mais mulheres participem das decisões do Estado por meio dos Fóruns Regionais criados”, afirmou.