Nem os radares que fiscalizam excesso de velocidade e invasão de faixa em Belo Horizonte estão livres dos ladrões de cabos de cobre. Neste ano, 66 equipamentos já foram alvos de bandidos. Três seguem desativados há cerca de duas semanas. 

Segundo a BHTrans, nenhuma fiação desses aparelhos foi roubada em 2017. A nova modalidade criminosa aumenta os casos de roubo de cabeamento que, posteriormente, é vendido no mercado paralelo. Conforme o Hoje em Dia mostrou na edição de terça-feira, até as estações do Move estão na mira dos vândalos.

A empresa que gerencia o trânsito da capital não divulgou onde estão os radares inoperantes. A autarquia também não deu prazo para que eles sejam reativados. Porém, o órgão informou que esse tipo de ocorrência está sendo comum nas avenidas Pedro II (nas proximidades do Complexo da Lagoinha), Antônio Carlos (entre o Anel Rodoviário e Complexo da Lagoinha) e Cristiano Machado (entre o túnel da Lagoinha e estação São Gabriel).

Segundo a BHTrans, a verba proveniente das multas é aplicada em sinalização viária, engenharia de tráfego, fiscalização e educação no trânsito 

Prejuízos

A reposição dos fios levados pelos ladrões já gerou prejuízos de R$ 50 mil aos cofres públicos. Diante da onda de furtos de cabos de cobre na cidade, a BHTrans pede à população que ajude, denunciando suspeitos de envolvimento nas ações. Em nota, o órgão disse que as comunicações podem ser feitas pelos telefones 190 (Polícia Militar) ou 181 (Disque Denúncia).

Perfil

Durante investigações do setor de inteligência da PM foi identificado que os cabos são levados, na maioria dos casos, por usuários de drogas em situação de rua, que já cometeram outros crimes. Alguns deles já foram presos várias vezes pelo furto de cobre. 

O material é vendido, a um preço abaixo do mercado, para ferros-velhos clandestinos, afirma o chefe da Sala de Imprensa da corporação, major Flávio Santiago. Além de fechar o cerco aos ladrões, ele diz ser preciso combater quem compra o produto.

Segundo o policial, os atravessadores seriam o elo que mais estimularia o crime, uma vez que dão a quem furta a garantia de venda do produto. 

A Guarda Municipal de Belo Horizonte garantiu que equipes em viaturas fazem o patrulhamento preventivo em áreas com maior incidência do roubo de fios. Parte do trabalho, conforme a instituição, é feito com o auxílio das câmeras de monitoramento espalhadas pela capital.

Já a Polícia Civil informou que as ocorrências registradas são investigadas pelas respectivas delegacias de área e visam a identificação de autoria do delito e a destinação dos materiais subtraídos.