O secretário estadual da Saúde de São Paulo, David Uip, confirmou nesta quinta-feira, 16, a oitava morte por febre amarela em território paulista. Dos oito casos, cinco são importados, nos quais a infecção ocorreu em outro Estados, e três são autóctones, incluindo o confirmado nesta quinta. De acordo com o secretário, o óbito ocorreu em Ribeirão Preto, onde a vacinação já havia sido reforçada. "A cobertura vacinal naquela região já chega a 80%", disse ele.

O Ministério da Saúde também divulgou dados atualizados sobre o surto da doença. Segundo a pasta, já são 424 casos e 137 óbitos confirmados no País. Outros 933 casos e 112 mortes permanecem em investigação, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta.

Minas Gerais continua sendo o Estado brasileiro mais afetado pela epidemia, com 325 casos e 111 mortes confirmadas. Outros sete Estados, no entanto, já têm registro da doença: Goiás, Tocantins, Bahia, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Rio e São Paulo. Pelo menos 184 municípios brasileiros registraram casos.

Leia mais:
7 mitos e verdades sobre a febre amarela
Após morte de macacos, agentes visitam casas em busca de não vacinados contra febre amarela em BH
Saúde e Educação vão orientar escolas a cobrar vacinação de alunos