O ritmo de aulas e o ano letivo começam a se intensificar em março. No entanto, crescem também as chances de infecções e problemas nas vias aéreas, porque o contato mais frequente com outros estudantes nas escolas aumenta as chances de doenças respiratórias, especialmente entre os pequenos, em que o sistema imunológico ainda está em formação. Segundo o médico e cirurgião Edgard da Veiga Lion Neto, as crianças têm cerca de seis a oito infecções respiratórias por ano, e as doenças mais comuns são resfriados, amigdalites, rinites, sinusites, otites, bronquite, asma e pneumonias. 

“Doenças respiratórias em ambiente escolar são afecções comuns. Pequenos cuidados por parte da família e da escola, no entanto, podem favorecer a não proliferação destes problemas, por isso precisamos ficar atentos”, alerta o especialista. Algumas medidas podem ser tomadas pela escola e pelos próprios pais para evitar que a situação se agrave. Confira as dicas: 

 

1) Garanta que a criança tenha uma boa imunidade

A alimentação influencia diretamente na forma como o corpo enfrenta problemas de saúde. Bons hábitos alimentares podem fortalecer o organismo para que ele não fique tão suscetível a infecções. Insira mel, probióticos, frutas cítricas como limão e laranja, ômega 3, verduras e legumes como cenoura e couve, na dieta das crianças e lembre-se sempre de manter a hidratação, fazendo com que elas bebam bastante água.

2) A criança doente deve ficar de repouso

Não é legal levar um aluno doente para as aulas. Além de ser um grande esforço físico para a criança, ela pode acabar infectando outros colegas de classe. Se não for possível manter o pequeno em casa, tenha cuidado redobrado com a hidratação e a alimentação e assegure que a criança tenha uma boa higiene nasal. 

3) Evite ar-condicionado

Os aparelhos de ar-condicionado retiram a umidade do ar e ressecam as mucosas de crianças e bebês. Isso pode causar complicações para o sistema respiratório. Para manter o ambiente fresco, prefira métodos que mantêm a umidade do ar, como umidificadores a base de água.

4) Lavar bem as mãos é importante

Muitas infecções virais são transmitidas durante o contato inevitável na escola, através das mãos de outras crianças ou da interação com utensílios de alunos infectados. Assegure que todos os estudantes lavem as mãos com frequência, não levem os dedos aos olhos e ao nariz e não compartilhem seus objetos com os demais companheiros de sala. 

5) Escolha quadros e cortinas que não acumulam pó

Cortinas de pano e quadro negro, que utiliza giz, acumulam muito mais pó do que os itens produzidos com materiais mais fáceis de limpar e que concentram menos poeira. Fazendo essa troca, é possível evitar crise alérgica entre os alunos. A rinite é a doença respiratória crônica de maior prevalência, e atinge cerca de 25% da população em geral, segundo o Ministério da Saúde.

 

Fonte: Edgard da Veiga Lion Neto, médico do Rinosoro