Uma mensagem com orientações sobre como agir em um assalto em estacionamentos está circulando em grupos no Whatsapp e nas redes sociais. O recado teria sido escrito por um suposto policial que teria participado das buscas pelo corpo da vendedora Adriana Lacerda, de 39 anos, que foi rendida na saída de um shopping em Contagem no último fim de semana. Dentre as atitudes descritas, o texto indica que pessoas ameaçadas por assaltantes devem bater o carro em outros veículos para afastar os bandidos. 

A Polícia Militar (PM), no entanto, dá recomendações completamente distintas. No caso de ser rendido por assaltantes dentro do automóvel, colidir o carro para se livrar dos homens é uma atitude fortemente desencorajada por militares. A batida é uma uma reação ao assalto e pode assustar o suspeito e deixá-lo ainda mais nervoso. “Independentemente de qualquer situação, a vítima não deve reagir, porque uma reação pode gerar uma ação violenta”, diz o major Flávio Santiago, chefe da assessoria de comunicação da PM. 

As orientações da polícia divergem do texto que está sendo enviado pelo Whatsapp em diversos outros pontos. A mensagem chega a dizer que mulheres devem evitar sair à noite sozinhas, recomendação repudiada por major Santiago. “Pelo contrário, nós queremos que as mulheres tenham os mesmos direito dos homens e a PM fará de tudo para garantir a manutenção desses direitos”, afirma. O militar garante que o texto não representa o posicionamento da polícia. 

A principal recomendação da PM é para que os motoristas fiquem atentos ao entrar no carro e liguem o veículo em seguida, sem parar para checar as redes sociais, o que pode os tornar ainda mais vulneráveis. 

Confira outras recomendações da PM para reduzir a vulnerabilidade em estacionamentos:

Verifique o ambiente: “O estacionamento é um local apenas de chegada e partida de veículos. Não é para pessoas ficarem paradas entre os carros. Ao visualizar suspeitos parados no estacionamento, o motorista deve dar uma volta e acionar a segurança do local. O mesmo serve para quando estiver indo embora do estabelecimento”.

Objetos à vista: “Não deixar objetos que chamem atenção expostos dentro do veículo. Objetos como roupas, bolsas, eletrônicos e sacolas chamam muito a atenção. Guarde tudo no porta-malas do carro e sempre verifique se alguém está te observando”.

Carro não é “sala de descanso”: “Não faça do veículo um ambiente de descanso. Não fique parado dentro dele, mesmo que seja em um estacionamento privado. Ao entrar no carro, dê a partida e vá embora. As pessoas estão com o hábito muito errado de entrarem no carro e começarem a acessar redes sociais. Isso deixa a pessoa ainda mais vulnerável”.

Se for vítima, não reaja: “Uma reação pode gerar uma ação violenta. Por isso, a recomendação é que a vítima não tenha nenhum tipo de reação”.

Pratique a auto proteção: “Se você estava indo para o carro e percebeu a presença de infratores perto do veículo, mantenha distância, volte para algum lugar seguro e movimentado e espere. A chance de tentarem algo é muito menor”.

Priorize a vida, não o patrimônio: “Existem muitos casos em que a pessoa reage em prol do patrimônio e eles acabam tendo desfechos extremamente negativos. Não dá para prever a reação, o infrator não tem ética, não tem regra, não age como receita de bolo”.

Leia mais
Polícia Militar orienta como reduzir a vulnerabilidade em estacionamentos
Polícia pede prisão preventiva de quarto suspeito envolvido na morte de vendedora em Contagem
Quarto suspeito de participar na morte de vendedora é ouvido e liberado pela polícia
Enterrado corpo de vendedora sequestrada e morta em Contagem