Os servidores públicos de Belo Horizonte pararam as atividades nesta quarta-feira (23) para voltar a discutir a proposta salarial oferecida pelo Executivo. A categoria rejeitou o aumento sugerido pela prefeitura, de 2,53% nos vencimentos e 2,85% no vale refeição.

Porém, durante assembleia realizada nesta manhã, os profissionais descartaram entrar em greve por tempo indeterminado. Eles formaram uma comissão de mobilização que irá pensar novas estratégias de negociação, como paralisações pontuais e atos de protesto, informou o Sindicato dos Servidores Públicos (Sindibel).

Conforme a entidade, todas as categorias, com exceção da Guarda Municipal que aceitou a proposta, estão mobilizadas nesta quarta-feira. Na quinta-feira (24), contudo, os trabalhos serão normalizados.

Profissionais da educação e da saúde, que são representadas por outras entidades, também estão paradas hoje. Os médicos que atendem na capital vão deliberar sobre os rumos do protesto em assembleia programada para às 19 horas.

A PBH informou que só iria se manifestar após o fim do encontro.

Trânsito

A reunião dos servidores ocorreu em frente a PBH e, durante a assembleia, o trânsito ficou interditado em um quarteirão da avenida Afonso Pena, no sentido Mangabeiras. O tráfego teve que ser desviado para a rua da Bahia e complicou o fluxo na região central. Contudo, conforme a BHTrans, o trânsito já foi liberado pelos manifestantes.

Leia mais:
Servidores da PBH fazem greve e fecham trecho da Afonso Pena