Com o término do aterramento de uma cratera em um terreno da construtora Edifica Engenharia, na esquina das ruas Muzambinho com Cabo Verde, no bairro Cruzeiro, região Sul de BH, os desalojados de prédios vizinhos já poderiam voltar para casa. A constatação é do engenheiro civil Lincoln Dias Oliveira, contratado pelos próprios moradores para vistoriar a obra.

“A primeira fase está praticamente concluída. É preciso, ainda, quebrar o passeio em frente à entrada do prédio Andrea, na rua Cabo Verde, para verificar a extensão da erosão, mas os moradores já podem voltar, porque não há risco para os prédios interditados. O problema é que eles perderam a confiança na construtora”, disse Oliveira.

Temor

Divididos entre a vontade de voltar para casa e o medo de que o pior possa acontecer, os moradores vivem em estado de angústia. A médica Fátima Castro, de 56 anos, chegou a afirmar, durante reunião com o vistoriador da prefeitura José Reis que só voltaria para casa com o aval do coronel Walter Lucas, chefe da Defesa Civil de Belo Horizonte. A assessoria da imprensa do órgão se limitou a dizer que “o papel da Defesa Civil do município é gerenciar os riscos. Assim que eles cessarem, será feita uma avaliação, e os moradores poderão ou não voltar para casa”.

De acordo com o engenheiro Oliveira, as 2 mil toneladas de terra e pedras utilizadas para tapar o buraco são suficientes para segurar a estrutura da rua, mas o ideal seria a construtora utilizar um rolo compressor a cada cinco centímetros de terra colocada no terreno.