A chuva intensa que assolou Belo Horizonte neste domingo (19) causou enormes estragos. Na avenida Teresa Cristina, 50 toneladas de lixo foram recolhidos pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Foram necessários 10 mil litros de água para limpar a via.

Em alguns trechos da avenida, o asfalto foi destruído. A Defesa Civil alerta que os motoristas devem ter cuidado redobrado ao trafegar pela via.

Segundo laudo da Defesa Civil, 137 imóveis foram vistoriados. Destes, 78 imóveis danos materiais. "Colchões, cobertores e cestas básicas sendo ainda distribuídas. Manteremos equipes no local durante toda a noite", afirmou o prefeito Alexandre Kalil no twitter.

twitter kalil


Regiões
As regiões Oeste, Noroeste, Barreiro e Pampulha foram as mais afetadas. O córrego Ferrugem, no limite de Belo Horizonte com Contagem, transbordou nos arredores da Vila São Paulo, próximo à fábrica da Vilma. Com as chuvas, algumas das principais vias do local, como a Teresa Cristina, ficaram alagadas.

A Defesa Civil também registrou risco de transbordamento dos córregos Vilarinho, em Venda Nova, Ressaca, no Castelo, Sarandi, na Pampulha, e Tirol, no Barreiro. Na regional Oeste, o muro de uma escola desabou no bairro Salgado Filho, não houve vítimas.

Kalil
Na manhã deste domingo, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), visitou as ruas do Vila Maracas, na divisa de Belo Horizonte com Contagem, para ver de perto os estragos feitos pela chuva. Na ocasião, ele afirmou que obras de contenção de danos causados pelas enchentes terão início na segunda (20).