A suposta ligação entre a morte de um adolescente de 16 anos no bairro Ribeiro de Abreu, na região Norte de Belo Horizonte, e o jogo Baleia Azul reacendeu a discussão sobre o suicídio entre jovens. O tema ainda é tabu para a maioria das pessoas, mas está cada vez mais presente no cotidiano. Prova disso são os dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) que revelam que, de 2010 a 2016, o número de pessoas entre 15 e 19 anos que tentaram se matar no Estado cresceu 15 vezes.

As tentativas de suicídio em todas as faixas etárias são maiores entre o sexo feminino; em 2016, 5.902 mulheres atentaram contra a própria vida em Minas, sendo que 2.186 tinham entre 20 e 34 anos 

Os casos de jovens brasileiros envolvidos com o jogo que começou, em 2015, na Rússia, dão uma dimensão do risco presente na “brincadeira”. Em Pará de Minas, um rapaz de 19 anos, pai de uma criança recém-nascida e membro de um grupo do Baleia Azul, deu fim à própria vida ingerindo centenas de comprimidos antidepressivos na última semana. No Rio de Janeiro, a Delegacia de Repressão a Crimes Virtuais investiga pelo menos mais dois casos de menores que podem estar participando do jogo. 

O cenário serve de alerta para pais cujos filhos são usuários assíduos das redes sociais e dos aplicativos de comunicação instantânea, ambientes onde interage e se comunica grande parte do público adolescente. Para especialistas, os motivos para que um jovem cometa suicídio podem estar ligados a um sofrimento psicológico não amparado pela família, mas também a um contexto social influenciado pela recessão econômica.

Tentativa de suicídio cresce 15 vezes entre jovens e reacende discussão sobre o tema polêmico

O gerente de psicologia clínica do Hospital Espírita André Luiz, Guilherme Wykrota, afirma que o número de jovens em situação de autolesão que buscam internação na instituição tem crescido. No entanto, ele destaca que o problema pode ter raízes no estilo de vida acelerado, vivido sobretudo pelos pais desses jovens. 

O número de tentativas de suicídio entre pessoas de 15 a 19 anos cresceu 1.391% de 2010 a 2016 em Minas; no primeiro ano, 94 jovens tentaram se matar, enquanto no último foram 1.402 

“Nós vivemos uma situação social grave, onde as pessoas estão tendo difícil acesso a bens fundamentais. Os pais precisam ficar fora de casa muitas horas, às vezes ter até mais de dois empregos para garantir o sustento familiar. Isso está diretamente ligado a essa alienação”, avalia.

Para o psicólogo, a difusão do acesso à internet potencializa o problema. “Pessoas que, antes, viviam muito isoladas, conseguem agora elaborar ali o próprio sofrimento. E isso acontece em todo o mundo, já que os relacionamentos estão se dando pela via da competição e não da solidariedade. Algo típico no neoliberalismo”, afirma Wykrota.

Responsabilidade

A psicanalista e pedagoga Maria Íris Mendes, membro da Associação Mineira de Psicanálise, endossa o discurso de que o distanciamento entre pais e filhos pode estar contribuindo para a formação de jovens desestruturados emocionalmente.

“O aumento de tentativas de suicídio está ligado a fatores sociais, econômicos, culturais e, por fim, psicológicos” (Paulo Roberto Repsold, psiquiatra forense e diretor da Associação Médica de Minas Gerais)

“Há uma clara terceirização da criação dos filhos para as escolas e as babás. Vivemos uma cultura de extremo consumo. Uma criança que não tem um tablet, por exemplo, não é bem vista entre os colegas. No jogo Baleia Azul, as tarefas são dadas durante a madrugada e os pais simplesmente não veem. Há muita tecnologia disponível para jovens sem estrutura alguma. Eles estão despreparados e quem tem responsabilidade direta é quem os está criando”, critica. 

Leia mais

Polícia investiga morte de jovem no Ribeiro de Abreu; família vê ligação com jogo Baleia Azul

Polícia do Rio tenta identificar possíveis vítimas do Baleia Azul

PF alerta que criminosos do Baleia Azul roubam dados para chantagear participantes

Polícia Federal orienta pais como prevenir contato dos filhos com o jogo Baleia Azul