O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou o pedido de arquivamento do processo contra Gustavo Henrique Bello Corrêa, cunhado da apresentadora e modelo Ana Hickmann. Ele responde pela morte de Rodrigo de Pádua, fã da modelo, que invadiu o hotel em que ela estava hospedada, em maio de 2016, no bairro Belvedere, região Centro-Sul de BH. Na época, a mulher de Gustavo Corrêa, a assessora de imprensa de Hickmann, Giovana Oliveira, ficou ferida por um tiro disparado por Pádua.

Na decisão, publicada nesta segunda-feira (17), o Tribunal informou que o processo segue os trâmites legais, como o início da audiência de instrução, quando testemunhas e envolvidos no caso são ouvidos. Ainda não há data para o início das audiências.

Após esses trabalhos, segundo o TJMG, é que poderá ser definido se o caso será arquivado ou irá a júri popular. Atualmente, a defesa do empresário conta com sete testemunhas de defesa e a acusação com seis representantes. “Temos a convicção que ele (Gustavo Corrêa) agiu em legítima defesa. Já esperávamos que o judiciário quisesse ouvir todos os envolvidos no caso, incluindo a Ana”, explica o advogado do empresário, Maurício Benfíca.

Já o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) questiona a tese de legítima defesa. Para a promotoria, o tiro da nuca de Rodrigo Pádua, evidencia que o fã já estaria dominado e que o tiro poderia ter sido evitado.

Na época, o MPMG não aceitou a sugestão de indiciamento da Polícia Civil, que concluiu o inquérito como legítima defesa. A promotoria ofereceu denúncia à Justiça como homicídio doloso, ou seja, com intenção de matar.

Para este tipo de crime, a pena pode chegar até 20 de prisão, mas pode ser reduzida caso seja comprovado que ele reagiu sob forte emoção.

Relembre

Rodrigo de Pádua morreu após invadir o hotel em que a apresentadora e modelo Ana Hickmann estava hospedada em Belo Horizonte. O jovem, de 30 anos, era de Juiz de Fora, na Zona da Mata, e nutria uma obsessão pela apresentadora.

No quarto em que a modelo estava, Pádua rendeu o empresário Gustavo Corrêa e a mulher, a assessora Giovana Oliveira. Armado, Pádua ameaçou atirar nas vítima, momento em que o empresário teria lutado com a vítima, tomado a arma e atirado.

Giovana acabou ferida. O fã morreu com um tiro na nuca. A apresentadora Ana Hickmann não teve ferimentos.

Leia mais:
Laudo de reconstituição do atentado contra Ana Hickmann deve ficar pronto em 20 dias, diz defesa
Justiça de Minas determina reconstituição do crime no caso Ana Hickmann
"Eu acredito na Justiça. Vamos mostrar que foi legítima defesa", declara Ana Hickmann