Três ônibus foram incendiados na madrugada desta quinta-feira (12) na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O fogo consumiu os coletivos em Contagem, Brumadinho e no bairro Juliana, região Norte da capital. Suspeitos deixaram um bilhete reclamando das condições do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, em uma das ocorrêncas. A Polícia Militar informou que ainda não tem informações se os ataques têm alguma ligação.

No ataque em Contagem, o alvo foi o coletivo da linha 303, no bairro Colonial. O motorista do ônibus seguia para garagem quando foi parado por um casal. Os jovens perguntaram ao motorista para onde estava indo, quando o condutor disse que já havia encerrado as viagens, o rapaz sacou a arma e ordenou que o motorista deixasse o veículo. Os suspeitos entregaram uma carta ao motorista com reclamações de detentos da Penitenciária Nelson Hungria. 

O casal espalhou um líquido inflamável no veículo e ateou fogo. O ônibus ficou completamente destruído. O motorista informou aos militares que, após o crime, a garota e o rapaz fugiram em um carro que dava cobertura.

Em Brumadinho, no bairro Aranha, o ônibus estava parado próximo à casa do motorista, quando vizinhos avisaram que o veículo estava em chamas. Testemunhas informaram que ouviram pessoas correndo, mas não souberam precisar quem seriam. As chamas foram contidas pelo Copor de Bombeiros.

O terceiro veículo foi queimado na rua Cissus, no bairro Juliana, na região Norte de Belo Horizonte. Um o micro-ônibus foi queimado em frente ao Centro de Estudos Sindicais da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg). O coletivo trouxe pessoas do Norte de Minas para participar de um evento de agronegócios. Não houve feridos.

Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou que aguarda a conclusão das investigações da Polícia Civil sobre os ataques aos ônibus.

"A pasta está acompanhando o andamento dos casos e esclarece que todas as denúncias que chegam formalmente à Seap sobre a conduta profissional de seus servidores são devidamente apuradas nos termos da lei".