Vestido de pajé e olhando para o horizonte, o alemão John Von Ascheraden, de 41 anos, acordou cedo para iniciar a missão de desbravar o tão falado Carnaval da capital. Mesmo sem muita intimidade com os rituais da tribo mineira, partiu guiado pela curiosidade e mergulhou sem medo na folia. E ele não é o único. BH tem recebido visitantes de várias nacionalidades em sua maior festa de rua, dentre eles, suecos, austríacos, australianos e até chineses. 

A aventura de John, no entanto, não foi moleza. O sol a pino e o calor de mais de 30° C que fez da metrópole um verdadeiro caldeirão transformou o gringo em um caçador de sombras. Cada árvore ou marquise que surgia pelo caminho dos desfiles virava instantaneamente um esconderijo dos raios ultravioleta.

Foi necessária muita coragem e água mineral para que os trajetos de blocos como o Então, Brilha, no Centro de BH, e Pena de Pavão de Krishna, no Barreiro, fossem cumpridos até o fim. Mas nada que a entrega ao espírito carnavalesco não resolvesse. 

Ao lado dos amigos, o alemão sacudiu o corpo e tentou cantar as músicas dos blocos mesmo sem entender o que diziam as letras. Pelo semblante, ficou claro que, apesar de pouco familiar, o Carnaval caiu no gosto do estrangeiro. “É incrível essa energia”, afirmou.

“Essa festa é algo único no mundo. Quero voltar aqui todos os anos” (Michael Bibby, australiano)

Parceiros

Acompanhando John, o amigo músico Stefan Lars, nascido na Suécia, também ficou impressionado com o tamanho da folia em BH. Casado com uma belo-horizontina, ele já havia visitado a capital há cerca de dois anos, mas nunca tinha assistido aos bloquinhos.

Stefan Lars Carnaval BH

O sueco Stefan Lars pintou o rosto de azul para acompanhar o bloco Pena de Pavão de Krishna no Barreiro.

O envolvimento com a festa foi tanto que Stefan tomou gosto até pela famigerada Catuçaí, a mistura de catuaba com açaí que se tornou febre das últimas edições do Carnaval. Completamente suado, carregando um pandeiro e uma garrafa da bebida, ele contou que o impacto de estar de frente à bateria de um bloco o arrancou lágrimas. “Eu não acreditava naquele som. Foi tão maravilhoso que comecei a chorar”.

A experiência pode ter deixado exaustos os amigos europeus, mas ambos garantem que querem voltar e indicar a folia para outros amigos. “BH é um ótimo lugar para passar o Carnaval”, acrescentou Stefan.

Carnaval BH
Chinesa Shumin Lin veio pular Carnaval de blusa de paetê azul, muito glitter e lantejoulas no rosto

Estrangeiros aprovam a festa e prometem voltar

Enquanto alguns gringos pulavam Carnaval como se fossem típicos brasileiros, houve estrangeiros que demoraram um pouco mais para entender a folia de BH. A austríaca Sara Baig, de 22 anos, chegou tímida à avenida Afonso Pena e, em um primeiro momento, parecia não compreender de onde vinha tanta gente.

Recém-chegada à cidade em busca de descanso, ela não parecia contagiada pelo som que saia do trio elétrico, mas bastaram alguns minutos de festa para que se soltasse. Perguntada sobre as roupas usadas pelos homens e mulheres no Carnaval da capital, foi categórica: “eu adoro isso. É um tipo de liberdade que não é comum no país. Acho ótimo”, revelou.

“Estou muito impressionado. Eu chorei quando presenciei o primeiro bloco tocando” (Stefan Lars, músico sueco)

Diferente

Os orientais também marcaram presença na folia. De calça jeans, blusa de paetê azul, muito glitter, lantejoulas no rosto e documentando tudo pelo celular, a chinesa Shumin Lin, de 29 anos, descreveu a festa como “diferente de tudo que já tinha visto na vida”.

Temporariamente no Brasil, ela veio para Belo Horizonte após indicação de amigos que conheceu na multinacional em que trabalha. “A energia é ótima, as pessoas são legais e amigáveis. Além disso, a música é muito boa”, disse.

Carnaval BH
Austríaca Sara Baig demorou um pouco para se soltar, mas também foi contagiada pela festa mineira

Animação

Já o australiano Michael Bibby, de 29 anos, poderia ser confundido, facilmente, com um brasileiro. Bem mais animado e integrado à festa do que os outros estrangeiros, ele se declarou amante do funk. 

Tanto que já aprendeu a dançar os sucessos mais tocados nas ruas da capital, como o hit “Que tiro foi esse?”, apesar de não lembrar a letra. Depois de exagerar um pouco na bebida, Michael já andava sem camisa e ria muito ao lado de amigos e da namorada carioca Amanda Rangel, de 27 anos.“Essa festa é algo único no mundo. Quero voltar todos os anos”, afirmou o australiano.

(Colaborou Mariana Durães)