A tia de dois dos jovens feridos na queda do ônibus coletivo que caiu em um córrego no bairro Mangueiras, na Região do Barreiro, disse que o motorista estava correndo e reclamando da falta de freios no veículo, o que pode ter provocado o acidente, que deixou 5 mortos e 18 feridos na noite desta terça-feira (13).

Valdirene Amaral explicou que a sobrinha está no Hospital João XXIII e o sobrinho se encontra no Risoleta Neves, mas que seria transferido também para o pronto-socorro no bairro Santa Efigênia.

"A menina passou por cirurgia na cabeça de cinco horas e meia e correu tudo bem. Já meu sobrinho, que está em Venda Nova, será transferido para o João XXIII, pois quebrou dentes e mandíbula", disse a dona de casa.

Segundo ela, que mora bem próximo ao local do acidente, outras vítimas que estavam no ônibus, com ferimentos de menor gravidade, disseram que pouco tempo antes de o coletivo cair no córrego o motorista reclamou que o "carro" estava sem freio.

Buscas

Militares do Corpo de Bombeiros voltaram ao local do acidente nesta manhã à procura de documentos e membros de vítimas. O local escuro prejudicou as buscas que começaram ainda na terça-feira (13). Os documentos e membros podem estar agarrados nas ferragens, debaixo do veículo, na água do córrego ou em outros locais de difícil acesso. Uma carteira de identidade de um jovem de 17 anos foi encontrada no fundo do córrego. 

Cinco pessoas morreram na tragédia, entre elas o motorista, que teria perdido os freios do veículo antes da queda no córrego. Quatro vítimas já foram identificadas, o motorista e três mulheres de 30, 53 e 73 anos. Uma mulher ainda não foi identificada.

Leia mais:
Acidente com ônibus na região do Barreiro deixa cinco mortos e 18 feridos