A Secretaria Municipal de Saúde informou que a procura pela vacina contra Influenza está abaixo do esperado. Desde o início da campanha, 460 mil pessoas foram vacinadas, o que corresponde a apenas 56,3% do público prioritário. A meta é vacinar 90%, ou seja, 824 mil pessoas. 

Este é um fato preocupante já que é a época do ano de maior circulação dos vírus H1N1, H3N2 e Influenza B, que podem evoluir para as formas graves da doença. Em 2017 foram notificados 30 casos de Influenza na capital, sendo que 24 do tipo H3N2, o de maior circulação em 
todo o país. Também neste ano, foram registrados três óbitos por Influenza, todos positivos para H3N2.

A principal forma de prevenção é a vacina, pois diminui a circulação do vírus. Evitar ambientes fechados com pouca circulação do ar, lavar bem as mãos e usar o antebraço para tampar a boca ao tossir, também ajudam a diminuir o risco de transmissão da doença.

Todas as pessoas que fazem parte do público-alvo, preconizado pelo Ministério da Saúde (MS), devem ser vacinadas. São elas: idosos acima de 65 anos, crianças de seis meses a 5 anos de idade, gestantes, puérperas – mulheres com até 45 dias após o parto, profissionais da área da saúde, do sistema prisional e professores, população privada de liberdade, indígenas e portadores de doenças crônicas. Destes grupos, crianças e professores são os que estão com a procura mais baixa –  38% e 31%, respectivamente.

A imunização que está disponível em todos os 152 centros de saúde da capital. A campanha termina no dia 26 de maio.