No mês de julho, duas fêmeas de lobo-guará vieram para o Jardim Zoológico da Fundação de Parque Municipais e Zoobotânica, trazidas do Criadouro Científico de Fauna Silvestre, da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) em Araxá, no Triângulo Mineiro.

Uma delas estava grávida e, no final de agosto, o filhote nasceu, mesmo sendo considerada uma espécie “vulnerável” pela classificação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Com quase dois meses, o bebê lobo ainda recebe os cuidados da mãe e já começa a apresentar comportamentos próprios da espécie.

A gestação dura cerca de dois meses e nascem de dois a quatro filhotes com pelos pretos no corpo e a ponta da cauda branca. Aos seis meses, já apresentam a coloração dos adultos.

O lobo-guará alimenta-se de pequenos animais e frutos do cerrado, como o fruto da lobeira.

Em 2008, o Zoológico participou da elaboração do Plano de Ação para a Conservação do Lobo-guará que teve como objetivo reunir especialistas de vários países para definir estratégias compartilhadas e propor ações em prol da conservação dessa espécie.
 
Características

É o maior canídeo sul-americano, com peso entre 20 a 30 kg. A espécie tem características morfológicas peculiares entre os canídeos, como patas longas e finas, pelos longos laranja-avermelhados e orelhas grandes. Possui uma crina negra no dorso, mesma cor do focinho, das patas dianteiras e mais da metade das patas traseiras.
 
Curiosidades

É mais ativo nas primeiras horas da noite, quando anda até 25 km à procura de alimento. Mamífero solitário, forma casal apenas no período de reprodução. Ocorre no Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai, Peru e Uruguai.