O aumento da expectativa de vida da população mundial tem trazido à tona não só discussões sobre os avanços da medicina e de tratamentos capazes de adiar problemas de saúde, mas sobre como alcançar a maturidade esbanjando qualidade de vida. Fato é que aproveitar os anos a mais de bem com o relógio biológico – e com o espelho! – requer muito menos de nós. Alimentação adequada, corpo em movimento e mente sã sustentam o pilar perfeito do envelhecimento saudável. 

Nos últimos 15 anos, a população do planeta ganhou, em média, 5 anos a mais, passando a viver cerca de 71,4 anos. O motivo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), está diretamente ligado ao controle de doenças altamente letais, como Aids e malária, sobretudo na África. A geriatra Ana Cristina Nogueira Borges chama atenção para outros importantes fatores.

“Não adianta ficar velho para decidir cuidar da saúde”, observa, listando autonomia e independência como condições essenciais para viver bem. Segundo ela, praticar atividade física, alimentar-se com equilíbrio, expor-se ao sol com moderação e manter a cabeça livre de problemas é o segredo para viver mais e melhor.

Saúde em dia

Que o diga a professora de yoga e reiki master Maria José Marinho, que, aos 84 anos, comemora o fato de não sentir dores no corpo e de não tomar remédios. A façanha ela atribui ao movimento constante do corpo e ao carinho com a mente. “Trabalho com yoga há 53 anos e o organismo agradece. Durmo bem, acordo cedo, nunca fumei, medito e me programo mentalmente para o dia”, ensina. 

A atividade física é também importante aliada no controle de doenças emocionais, como a depressão que, de acordo com a geriatra Ana Cristina Borges, não tem relação com avanço de idade. “Depressão não faz parte do envelhecimento. Se a pessoa está deprimida é porque esconde alguma doença que precisa ser abordada”, enfatiza. 

Na outra ponta da qualidade de vida está uma alimentação equilibrada e saudável. Não é à toa que o país com a mais alta expectativa de vida e que tem os menores índices de obesidade é onde se come melhor no mundo. No Japão, a população vive, em média, 83,7 anos. “Acredito muito no impacto dos alimentos na saúde. Por aqui, ao contrário dos japoneses, temos uma combinação de industrializados e fast foods cheios de açúcar, gordura e sódio. Nos alimentamos mal de todas as formas”, alerta a nutricionista Raphaella Cordeiro. 

O segredo é tornar a dieta um hábito alimentar, respeitando preferências e a rotina de cada um. “Nutrição é prevenção”, orienta. 

Por mais qualidade de vida

- Movimento, sempre!: exercícios diários ajudam a prevenir doenças e liberam substâncias responsáveis pela sensação de bem-estar. 
- Alimente-se bem: legumes, verduras e frutas fornecem nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo e dão disposição. 
- Exercite o cérebro: palavras-cruzadas são ótimas para desenferrujar a memória.
- Seja positivo: pensamento e atitudes positivas melhoram o bem-estar e diminuem o cansaço. 
- Aceite sua vida: procure modificar o que está ruim e aceitar o que não pode ser mudado.