Cem quilos de polvilho por dia. Queijo fornecido por fazendeiros da região. Massa artesanal. Isso é só uma parte dos ingredientes que fazem do pão de queijo Delícia de Paracatu um sucesso. Para se ter ideia do quanto o quitute é apreciado, são produzidas 6 mil unidades por dia. No fim de semana, esse número sobe para 8 mil. E não é raro ver filas de clientes que se formam na porta do estabelecimento. 

O negócio começou em 2000, quando a família Oliveira Campos decidiu se unir em torno da fabricação da iguaria. Todos se empenharam e criaram, assim, uma das primeiras casas de pão de queijo de Paracatu. “O dia inteiro, o tempo todo tem gente entrando na lanchonete da família”, conta orgulhoso um dos proprietários, Mauro Luís de Oliveira Campos.

Para assar tanto pão de queijo, haja lenha. Mas toda a madeira usada é legalizada pelo Instituto Estadual de Florestas e comprada com nota fiscal. A família sabe o valor do respeito ao meio ambiente. “A gente tem que tirar da natureza e devolver, plantar de volta. A gente sobrevive graças à natureza. Não se pode ferir o meio ambiente”, diz Mauro.

A receita, a matriarca Isaura da Silva Oliveira guarda a sete chaves, mas revela que aprendeu ainda na juventude quando morava na zona rural. “Essa é caipira mesmo, tem jeito de roça, veio da roça”, conta o filho dela, Mauro. O diferencial na produção do quitute fez o negócio crescer. As entregas, que eram feitas de bicicleta, hoje chegam até os clientes de moto. São sete motoqueiros contratados para levar pão de queijo para cima e para baixo.

O imóvel onde funciona a fábrica já foi a casa da família, que desocupou o lugar para ampliar a produção. Na frente, foi construída uma lanchonete onde o entra e sai de gente é constante. “O mineiro, uai, gosta do pão de queijo. É por isso que a saída é garantida”, explica Mauro.

Dia do pão de queijo

A fabricação do pão de queijo em Paracatu, na região Noroeste de Minas, vem crescendo a cada ano e se torna um negócio que movimenta a economia, gerando renda e trabalho. Para incrementar ainda mais essa atividade, foi sancionado no dia 11 o projeto de lei que institui o Dia Municipal do Pão de Queijo. A partir do ano que vem, a data será comemorada sempre em 5 de julho que, além de ser o Dia da Gastronomia Mineira, também foi quando Paracatu recebeu o prêmio Eduardo Frieiro pelo registro do modo de fazer o pão de queijo. Isso significa que o modo de preparo do quitute no município é considerado único, um verdadeiro patrimônio.

Com a lei, o município fica autorizado a estimular e promover campanhas de qualificação do setor e de profissionais da área. Isso pode ser feito, por exemplo, por meio de ações das secretarias de Cultura, Indústria, Comércio e Turismo, Educação. 

A autora do projeto de lei, vereadora Marli Ribeiro, explicou que o município passa a ter mecanismos legais para realizar feiras e eventos voltados para o setor. “A intenção é atrair ainda mais os olhares para a cidade, incrementando o turismo e a economia local. Já temos sabor e qualidade. Agora, é espalhar isso para o mundo inteiro e colher os bons resultados”.