Uma praça que integre e valorize a comunidade e o espaço público. Esta é a proposta de um projeto de revitalização da praça João Vianna, bairro Santa Mônica, região da Pampulha.  Neste domingo, moradores do entorno do local participaram de uma mobilização com o objetivo de debater a respeito dos “sonhos” de quem deseja ver a praça ocupada.

“Oferecemos aos moradores trocar sonhos por sonhos. Desta forma estimulamos a comunidade como um bem de todos e sendo utilizado por todos”, explica a facilitadora do grupo Elo, entidade responsável por mediar o processo de resgate da praça, Flávia Freitas Ramos.

Entre os pedidos da comunidade está a criação de um espaço dedicado aos brinquedos para a criançada, marcação no piso para caminhada e corrida, cantinho para a leitura, espaço para eventos, além da valorização da jardinagem e paisagismo. “Acredito que com essa revitalização, a praça voltará ser ocupada por todos nós”, diz a dona de casa Marlene Maria do Nascimento, de 61 anos.

Ela foi incentivada a participar do projeto pelo neto, Ricard de 10 anos. “Estudo na escola que fica de frente para a praça. Antes de ir embora sempre jogo bola aqui. É um lugar lindo que precisa ser cuidado”, diz.

Há 37 anos, o aposentado Francisco Martinho César Filho, de 78 anos, deseja ver a praça ser novamente como um dos locais mais bonitos de Belo Horizonte. “Lembro que este lugar era cenário para as noivas fotografarem. Tenho sonho de ver esta praça ocupada de novo e longe do abandono”, diz.

Para a diretora da Escola Estadual Professor João Câmara, Rosimeire Maria Silva, o resgate do espaço possibilitará a integração dos estudantes com a comunidade e com o meio ambiente. “A ideia é que escola possa usufruir da praça junto com a comunidade e que essa integração aproxime os moradores da escola”, avalia.

Durante a reunião, os moradores além de apontarem os “sonhos” da nova praça também montaram uma maquete para visualizar os pedidos. A partir desse esboço, as ideias de intervenção serão encaminhadas para a avaliação da prefeitura para que tenha autorização das mudanças no local.

Por um período de dez dias, a comunidade, que terá R$ 20 mil doado pela Vivo /GVT - idealizadora do projeto - para viabilizar as obras e também terá este prazo para buscar novos parceiros. “Neste período a comunidade mobilizará os comerciantes da região para também abraçar esta causa”, diz Flávia Freitas. No fim do mutirão, os moradores terão como presente o serviço de internet gratuita na praça.  O mutirão acontecerá nos dias 17 e 18 de outubro.