# POSTHD Conteúdo Patrocinado

Uma iniciativa inédita de um coletivo de produtores culturais e artistas irá transformar ruas, praças e avenidas de Belo Horizonte em um galeria de arte a céu aberto. Neste sábado (7), das 10h às 19h, será a estreia do Museu de Rua, que pretende converter espaços públicos degradados em imensos murais, locais de contemplação, ocupação e convivência. A primeira ação será realizada na rua Américo Scott, entre as ruas Edgar Coelho e Monte Alegre, no bairro Serra (confira aqui a página do evento).

Os 70 metros de comprimento do muro serão preenchidos simultaneamente com tinta spray a partir dos traços de 20 artistas. Dentre eles estão Goma, Clara Valente, Gud Assis, Ataíde Miranda, Testa e Carol. Além da pintura do muro, evento também terá barraquinhas com música boa e feirinha de produtores locais, como artesanato, roupas (o evento tem uma parceria com a Ancestral para fornecer blusas), bancada de flores, comidas naturais e exposição de arte.

A proposta é manter uma agenda constante de intervenções na cidade. O segundo evento já está marcado para o dia 21 de abril, também na Serra, desta vez na Praça Violeta Soter. Na sequência, a ideia é levar a ação para outras regiões da cidade. Para isso, o Museu de Rua lançou um financiamento coletivo (acesse aqui) para levantar recursos.

 

Beco do Batman,

O Beco do Batman, em São Paulo, é uma das referências do Museu de Rua

 

Os valores dos apoios vão de R$ 10 até R$ 5 mil. Como recompensa, há os mais variados produtos e serviços, como agradecimentos públicos no dia do evento, CDs de bandas independentes, garrafa da bebida Xeque-Mate, bolsa unisex da Real Grapixo, livro "A Cultura do Grafite. Por um direito das Ruas", de Mariana Gontijo, camisas, lata de spray grafitada por Ramar Gama, bonés, ingressos na Festa Sinestésica, aulas de Yoga, oficina de Graffiti, discotecagem, anuidade do plano de benefícios da empresa ForSócios, telas artísticas e murais.

O projeto foi idealizado pelo artista de rua Ramar Gama e pelo produtor cultural Ivan Neves. A eles, se juntaram o também artista de rua João Marcelo Goma (conhecido como Goma) e os produtores culturais Daniel Moreira, da ForSócios; e Gabriel Camargos, João Pedro Illanes e Pedro Carias, da festa Sinestésica.

 

 

“A ideia é valorizar o artista local e a arte de rua, quebrando o tabu de que a arte de rua está ligada à criminalidade. Queremos mostrar que a arte de rua tem sua força e valor. O museu vai ser sempre feito em lugares que estão abandonados. O coletivo se juntou para valorizar os artistas que não têm oportunidade de estar em veículo de comunicação”, afirma João Pedro Illanes.

Ele ressalta que o evento é independente, mas conta com alguns apoiadores, como a Colorgin (fornecedora de sprays) e Red Bull (ajuda na estrutura). “O Museu de Rua vai dar espaço ao artista local e manter a proximidade dos moradores da região com esses espaços que estão inutilizados. É um projeto sem fim lucrativo, que quer abranger todas as áreas da cidade com o passar das edições”, explica João Pedro. 

Serviço: Museu de Rua
Datas: 7/4, na rua Américo Scott, no bairro Serra, das 10h às 19h 

21/4, na Praça Violeta Soter, no bairro Serra, das 10h às 19h
Para saber mais:
Página do evento
Vídeo do Museu de Rua
Página de apoio no Catarse