A importância de tratar o bruxismo na infância

Opinião / 19/06/2017 - 06h00

A descoberta nem sempre é fácil e, muitas vezes, vem associada à fratura de dentes, sensibilidade dentária e até dores de cabeça. O apertamento, mais conhecido como bruxismo, consiste no hábito involuntário de ranger os dentes. O que muitos não sabem é que o distúrbio pode aparecer ainda na infância e está cada vez mais presente entre crianças de 2 e 10 anos de idade.

Uma das principais causas do bruxismo infantil são os problemas respiratórios, pois a dificuldade de respirar, decorrente de sinusites, rinites e outras doenças respiratórias, diminui a taxa de oxigênio no sangue, o que estimula a liberação de substâncias neurotransmissores que estimulam a atividade cerebral, a frequência cardíaca e desencadeiam o ranger de dentes. No inverno aumenta a ocorrência do problema, devido à maior prevalência de problemas respiratórios. 

O apertamento também pode estar ligado a questões hereditárias e, até mesmo, a uma rotina caracterizada por ansiedade e estresse. Por essa razão, o acompanhamento do dia a dia da criança é fundamental, para que esse problema não seja desencadeado de forma ainda mais intensa e preocupante. 

Existem dois tipos de apertamentos. O mais comum é conhecido como bruxismo noturno, quando a criança range os dentes à noite. Crianças menores estão mais propensas a ele. Já o bruxismo de vigília pode ocorrer durante todo o dia.

Quem sofre com esse tipo mantém os dentes apertados, forçando-os como se estivessem em situações de ansiedade e estresse. Geralmente, crianças maiores e adolescentes são os mais atingidos. Para os pais, é importante que haja o monitoramento constante. O ato de ranger os dentes, principalmente na infância, pode afetar seriamente a saúde bucal, já que desgasta e fratura os dentes. 

Os pais devem estar atentos se a criança reclama frequentemente de dores de cabeça e até mesmo de sensibilidade nos dentes, já que podem ser os primeiros sinais de que algo não vai bem. Existem diversas opções de tratamento, porém cada caso deve ser avaliado e tratado individualmente. Atenção especial às crianças com dentes de leite, pois elas não devem usar as placas tradicionais.

Depois da troca dos dentes pelos permanentes, as placas específicas, que não comprometem o crescimento dos ossos, podem ser usadas para evitar a fratura e o desgaste dos dentes. De qualquer forma, é preciso identificar a causa do bruxismo, pois o paciente pode necessitar de um tratamento com otorrinolaringologista para melhorar a respiração, ou ainda reduzir o nível de stress ao qual está exposto, a fim de resolver definitivamente o problema.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários