Cenário 2018

Opinião / 10/01/2018 - 06h00

Aroldo Rodrigues*

Como disse no texto anterior, o balanço do ano que se passou foi positivo para a economia. Algumas reformas foram aprovadas e outras estão na ordem do dia do governo. Os indicadores econômicos melhoraram significativamente, mais do que a previsão dos analistas. Inflação em 2,8 %, Selic em 7% e PIB crescendo 1%. Podemos dizer que no campo econômico o governo fez o dever de casa.

Começamos o ano com boas expectativas: crescimento do PIB previsto para 2,7%, retomada dos empregos, juros em tendência de queda e aumento dos investimentos externos. 2018 traz grande e importantes eventos, além da Copa do Mundo (que confesso não estar otimista quanto ao desempenho do Brasil) também teremos as eleições. Será a oportunidade para a população externar seus anseios e demandas na urna. Nesse sentido, me preocupa o discurso populista.

É fundamental que o discurso na campanha se dê pela via da coerência e bom senso. Deveria se evitar posturas dos salvadores da pátria, ou dos combatentes dos vilões como estamos habituados a assistir no horário eleitoral. A questão é que ainda nem estamos em período eleitoral (oficialmente) e estes discursos já emergem. O ex-presidente Lula, sempre que tem oportunidade, relembra seus feitos na Presidência, prometendo devolver aos eleitores o Brasil que ele entregará para Dilma em janeiro de 2011. 

Fato é que não temos mais o vento do mercado externo a nosso favor. Nossas commodities não estão supervalorizadas, nem há uma demanda pulsante da China como existia a época. Para complementar a diferença de cenário, acabamos de sair da pior recessão da história, causada pela sucessora do ex-presidente, que ao implementar sua desastrada “Nova Matriz Econômica” nos fez mergulhar na recessão e desemprego. 

Bolsonaro segue o mesmo caminho. Já roda o Brasil se posicionando como candidato, mas confesso que não consigo analisar como será seu governo do ponto de vista de política-econômica, pelo simples fato do postulante à Presidência sempre escorregar quanto à condução da economia. Também me preocupa a fala de Ciro Gomes. Confesso que admiro algumas de suas posturas, principalmente as ligadas à austeridade enquanto ocupou cargos no governo. Mas Ciro tem cogitado repetir as mesmas ações que fracassaram no governo Dilma. Me parece que o cunho ideológico está pesando mais do que o conhecimento que o candidato detém sobre economia. As cartas aos poucos vão se colocando, que comecem os jogos.

*Econonomista
 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários