Comunicação real

Opinião / 06/07/2018 - 06h00

Júnia F. Carvalho

Miudanças tecnológicas, volatilização dos mercados globais e alta competitividade exigem um novo perfil profissional do líder. Para chegar ao sucesso, ele precisa pensar de forma sistêmica, considerando conexões e parcerias, seja nos negócios ou na gestão de equipes.

Investir em competências que elevam o potencial de relacionamento interpessoal é um dos caminhos. Aprender a se expressar de forma verbal e não verbal é também fundamental 
Segundo informações da Live Stats, empresa que monitora o uso da web em todo o mundo, no intervalo de 1 segundo, 67 mil pesquisas são feitas no Google, mais de 7 mil twittes são postados, 69 mil vídeos são vistos no Youtube e 2,5 milhões de e-mails são enviados. Ou seja, as pessoas estão mais conectadas e se comunicando mais.

Embora os dados demonstrem a conexão por meio do mundo virtual como um grande avanço para a comunicação entre as pessoas e empresas, na vida real as pessoas sofrem para criar laços, relacionamentos consistentes, mobilizar pessoas, parceiros e recursos.

Para tanto, empresas e gestores que enxergam essas variáveis como oportunidades estão investindo em desenvolvimento de competências dos colaboradores por meio de práticas de engajamento, cursos e treinamentos. Acreditam que um bom relacionamento interpessoal potencializa o comprometimento com resultados, minimizando conflitos, gerando mais conexões e parcerias importantes aos negócios.

Segundo o Project Management Institute (PMI), 90% de todo tempo despendido em um projeto está relacionado à comunicação.


A comunicação assertiva promove o engajamento estimula o sentimento de pertencimento, criando uma relação ganha-ganha. Dessa forma, a programação neurolinguística e as técnicas de comunicação não verbal podem permitir compreender melhor nosso funcionamento interno, nossas histórias e valores que impactam no nosso comportamento e ressignificá-los, bem como identificar na interação com o outro funções preliminares do comportamento corporal como emoções, atitudes interpessoais e rituais importantes às trocas sociais dos novos tempos.

*Júnia Carvalho é gestora estratégica de negócios e sócia-diretora da Oito Consultoria Treinamentos e Sustentabilidade Corporativa. 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários