Incertezas

Opinião / 13/06/2018 - 06h00

Aroldo Rodrigues 

A economia até melhorou desde o auge da recessão, mas está longe de recuperar o que perdeu e isso leva à percepção de uma situação pior. O que melhorou não trouxe, na verdade, muito alívio para a população. O desemprego diminuiu, mas continua alto. Os juros também recuaram, mas o crédito não teve redução no mesmo ritmo. A corrupção, as denúncias contra o presidente, o mal estar com a política, tudo isso gera uma insatisfação grande. Sendo que há risco até de alguma perda em relação aos ganhos obtidos na atual gestão. O mercado, segundo o relatório Focus, do Banco Central, já derrubou a projeção de crescimento deste ano para 1,94% e pode cortar mais. 


Podemos ficar muito perto da expansão medíocre do ano passado. A economia, que já mostrava uma enorme dificuldade para reagir, agora sente os efeitos da paradeira, da perda de produção, provocadas pela greve dos caminhoneiros. Com reflexos na inflação. A previsão do IPCA para este ano subiu para 3,82%. Ainda é bem baixo, inferior à meta. Só que, antes, se contava até com o Banco Central tendo de cortar mais a taxa básica de juros, pra não deixar a inflação abaixo do piso da meta, que é 3%. 


E, mesmo com os índices baixos, é difícil convencer o consumidor que a inflação está baixa, com combustíveis, tarifa de energia, entre outros preços, tendo avanços na faixa dos dois dígitos. Enfim, o país vai crescer menos, com inflação maior, mais dúvidas quanto à evolução das contas públicas, até pelo acordo feito com os caminhoneiros, não se vê chance de o governo avançar, politicamente, com uma agenda positiva .
Tudo isso afeta a percepção da sociedade quanto ao cenário econômico, traz mais incertezas, o que tem provocado a instabilidade do mercado financeiro, e ainda compromete a confiança dos agentes econômicos, com consequências sobre decisões de investimento e consumo. Estamos, de fato, num ciclo pior, que já contamina as projeções para 2019.


*Economista, pós-graduado em consultoria empresarial, palestrante e professor universitário

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários