Os erros se repetem no Atlético

Álvaro Damião / 26/09/2017 - 13h40

Pela segunda vez no Campeonato Brasileiro deste ano, os times da Bahia derrubaram um treinador do Atlético. A primeira mudança de técnico havia acontecido após a derrota para o Tricolor, por 2 a 0, no Independência, quando Roger Machado não resistiu e foi demitido. 

No último domingo, a cena se repetiu! Rogério Micale não suportou a derrota para o Vitória por 3 a 1, dentro de casa, e foi destituído do cargo. No total, foram 13 partidas, com cinco vitórias, três empates e cinco derrotas. Com Micale, o Atlético foi eliminado pelo Jorge Wilstermann, da Bolívia, nas oitavas de final da Copa Libertadores, que era o principal objetivo da temporada, além de ter sido eliminado na Copa do Brasil, pelo Botafogo.
Micale tem culpa? Claro que tem. E ele sabe disso. Mas a culpa não é só dele! A diretoria do Atlético já provou que pode ter seus méritos administrativos, mas que, de futebol, pouco entende. Um clube de futebol é uma empresa e precisa de bons administradores, mas é importante lembrar que é uma “empresa de futebol”. Sendo assim, é necessário que tenha pessoas que sejam excelentes administradores e entendedores de futebol.

Será que alguém da diretoria já analisou que o elenco do Atlético é velho? Atualmente, o clube tem 33 jogadores no elenco, sendo que 12 têm 30 anos ou mais: Vitor (34), Giovanni (30), Léo Silva (38), Felipe Santana (31), Carlos César (30), Fábio Santos (32), Elias (32), Adilson (30), Roger Bernardo (32), Robinho (33), Fred (34) e Rafael Moura (34). Como esperar que um time deste tenha velocidade e competitividade? Tudo isso só demonstra a falta de planejamento.

Para se disputar um Campeonato Brasileiro e brigar no topo da tabela, não basta apenas ter talentos individuais. É preciso ser competitivo, algo que o Galo não é. E, para se tornar um time menos previsível, é necessário que se tenha um jogador de velocidade. O Atlético investiu suas expectativas no Luan, mas, infelizmente, por todos os problemas físicos que já teve, ele não tem mais condições de oferecer velocidade ao elenco. O que eu não consigo entender é porque a comissão e a diretoria não se programaram para ter um “plano B”!

O que me assusta é que os erros não são de agora. O Atlético vem errando insistentemente. É normal um clube demitir dois técnicos na mesma temporada? E a série de contratações infundadas?

Um clube não pode sair contratando por contratar, mas a impressão que fica é que o Atlético vem fazendo. Exemplo disso é contratar Fred enquanto se tinha Lucas Pratto no elenco. Era, de fato, necessário ter esses jogadores tão caros no elenco ao mesmo tempo? Acredito que não. Faltou capacidade de quem estava à frente disso.

Enfim, o leite ainda não entornou. Micale já não comanda mais o time e, logo, o clube terá um novo treinador. Mas e os erros? Serão corrigidos?

Espero que sim! 

Tamo junto e até a próxima.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários