Assembleia retoma impeachment de Pimentel na terça-feira

Amália Goulart / 03/05/2018 - 06h00

A suspensão do processo de impedimento do governador Fernando Pimentel (PT) será temporário. Na próxima terça-feira a Mesa Diretora da Assembleia retoma o caso, já com o parecer da equipe técnica. 

Na ocasião, o presidente da Casa, Adalclever Lopes (MDB), deverá ler o parecer pela admissibilidade da tramitação, sanando assim as questões de ordem. 
Nos bastidores da Assembleia o clima não é favorável a Pimentel. Os deputados estão divididos. Muitos voltaram do feriado tendo notado a simpatia das bases com o possível impedimento. 

O fato positivo para o governador é que parte da bancada do MDB está com ele. Mas, enquanto não haver consenso, a ordem é dar prosseguimento ao processo. 
Os recursos do PT têm caráter protelatório, assim como tiveram no caso do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. 

Richa


Os deputados estaduais Sargento Rodrigues (PTB) e João Leite (PSDB) foram hostilizados ontem por professores na Assembleia Legislativa. Eles deixaram a reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que discutiria a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do piso dos professores. Não houve quórum para o prosseguimento da sessão, fato que irritou os representantes da categoria que acompanhavam as discussões. 

Rodrigues é membro suplente da CCJ, que conta com sete efetivos, sendo cinco governistas. Ele esclareceu que não participaria da reunião, tendo ido ao local, juntamente com João Leite, para cobrar uma posição da Comissão sobre uma Proposta de Emenda Constitucional de sua autoria que estava parada há 10 meses na CCJ, sem análise. 

Já a PEC do piso, que torna exigência constitucional o pagamento estabelecido por lei federal, de autoria do petista Rogério Correia e assinada por outros colegas, está há apenas seis dias na pauta e seria analisada ontem. “Por que uma PEC fica 10 meses na gaveta e a outra é apresentada e com seis dias está na pauta?”, questionou. A proposta de Sargento Rodrigues, que ainda não passou pela Comissão, estende o quinquênio a todos os servidores do Estado. 

O deputado acusou o colega Rogério Correia de instigar os professores contra ele e João Leite, deixando subentendido que a falta de quórum deu-se pela ausência de ambos. 

Rogério Correia disse que a PEC em questão foi assinada por 73 parlamentares e é fruto de um acordo com os professores. Ele afirmou que, quando a confusão começou, não estava mais no local. “Faltou um deputado para dar quórum. Poderia ser da oposição ou do bloquinho. Eles (Sargento Rodrigues e João Leite) não quiseram entrar para não dar quórum. Depois disso, eu fui embora”, afirmou.

Cemig distribui dividendos

A Companhia Energética de Minas Gerais vai distribuir R$ 485,5 milhões em dividendos aos acionistas com ações preferenciais. O pagamento, de acordo com o Aviso aos Acionistas divulgado ao Mercado, será feito em parcela única até o dia 12 de dezembro, podendo ser antecipado conforme disponibilidade de caixa e a critério da Diretoria Executiva.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários