Conheça a diretoria da Fiemg que será eleita em abril

Amália Goulart / 03/03/2018 - 06h00

Será publicada hoje a chapa única para as eleições na Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg). Com isso, fica aberto o prazo para contestações. A chapa é encabeçada pelo industrial do setor têxtil, Flávio Roscoe. A eleição ocorre em 12 de abril e a posse em maio.


São 105 postos, incluindo as suplências. A diretoria executiva é composta por 20 quadros, sendo 15 vice-presidentes. Os vices são: Bruno Melo Lima, Carlos Mário Moraes, Emir Cadar Filho, Jefferson de Paula, José Batista de Oliveira, Luciano José de Araújo, Márcio Danilo Costa, Mário Morais Marques, Pedro César Spina, René Wakil Júnior, Robert Carlos Lyra, Roberto de Souza Pinto, José Fernando Coura, Tadeu Monteiro de Barros Pinto e Teodomiro Diniz Camargos.

Os diretores-secretários serão Iara Abade (1ª) e Carlos Ramon de Melo (2º). Já os diretores financeiros serão Fábio Alexandre Sacioto (1º) e Daniel Junqueira (2º). 

Roscoe e Edwaldo Almada são os delegados da Fiemg junto à Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A chapa composta por Roscoe agregou também nomes ligados ao atual presidente Olavo Machado. Eles foram escolhidos a dedo por Roscoe.


Ao som de Trump
As principais indústrias siderúrgicas e de mineração do mundo sofreram com o anúncio do presidente americano, Donald Trump, de taxar em 25% o aço importado e 10% o alumínio. Aqui em Minas, as ações da Usiminas cairam cerca de 4%. 

A CSN e Gerdau também sentiram os efeitos do anúncio de proteção comercial dos Estados Unidos. A Gerdau teve menos perdas, já que possui unidades de produção no país do tio Sam. 

A oscilação das brasileiras tem razão de ser. Vamos aos números que justificam o receio. Os Estados Unidos importam 20 milhões de toneladas ao ano. Paga por isso 24 bilhões de dólares. O aço brasileiro corresponde a 13% do total dessa importação. 

Usiminas
Por falar na siderúrgica, em comunicado ao mercado, a Usiminas informou que, em 2018, os investimentos consolidados somarão R$ 500 milhões. Mesmo valor será destinado à despesa financeira líquida consolidada.

São Marcos
O Grupo São Marcos adquiriu o laboratório Laborfase Padrão, no ABC paulista, com três unidades nas cidades de Santo André, Mauá e Diadema, todas em São Paulo. A operação foi concluída na última quinta-feira e deve agregar R$ 15 milhões ao faturamento anual do Grupo, estimado em R$ 260 milhões para 2018. 

Os valores da negociação não foram divulgados.

A iniciativa é mais um passo do plano de expansão do Grupo São Marcos, que tem como meta o posicionamento entre os cinco maiores players do mercado até 2021. 

Em 2017, o Grupo fez a aquisição de sua primeira empresa no ABC Paulista, o Lab Hormon. 

Segundo o presidente Executivo, Ricardo Dupin, o objetivo é atingir, em 2021, R$ 800 milhões em receita, a partir de aquisições de empresas com culturas semelhantes situadas em regiões metropolitanas relevantes, da ampliação do portfólio de serviços e da prestação de apoio a outros laboratórios (B2B).

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários