Jucá pode barrar aliança

Amália Goulart / 09/11/2017 - 06h00


O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá, vai tentar barrar a aliança do partido com o governador Fernando Pimentel (PT) para as eleições do próximo ano, quando o petista tentará se reeleger. O assunto foi tema de uma reunião do vice-governador, Antonio Andrade (PMDB), com Jucá na última terça-feira.

Andrade é desafeto de Pimentel e deseja lançar um nome da legenda para o pleito de 2018. Ele foi ao encontro de Jucá para pedir que a aliança feita com Pimentel em 2014 não se repita no próximo ano. Na conversa, Andrade lembrou que Pimentel estará no palanque ao lado do ex-presidente Lula, a exemplo da caravana do petista em Minas.

Jucá teria dito que, de fato, não faz sentido para o PMDB aliar-se ao PT em Minas, já que os partidos não mais estão alinhados no plano nacional. Pelo contrário. Após o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), peemedebistas da cúpula nutrem expressa desavença por expoentes petistas. O clima não é bom.
A recusa em coligar-se com o PT pode ser estendida para outros estados.

Em Minas, os peemedebistas da ala federal querem lançar a candidatura do presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Rodrigo Pacheco. Já a ala estadual da legenda quer manter a aliança com Pimentel. Há interesse grande na aliança proporcional, aquela para deputados federais e estaduais.

Há alguns dias, Jucá recebeu justamente deputados estaduais, acompanhados de dois federais que discordam dos colegas de bancada. Eles pediram ao senador cautela na análise do caso, sob o argumento de que o PMDB tem capilaridade extensa e que é natural coligações com outros partidos, que não da base nacional, em outros estados. Citaram exemplos de outros locais onde o problema é o mesmo.

Neste mês, os peemedebistas farão convenção. O tema “alianças para 2018” pode ser colocado na mesa com resolução para a questão. Ou o partido pode protelar a decisão para o próximo ano, tendo em vista a polêmica em torno dela.

Expressão cultural
O deputado federal Laudívio Carvalho (SD) protocolou, na Câmara Federal, um projeto de lei que proíbe crianças e adolescentes de participarem de mostras culturais de conteúdo considerado pornográfico. O projeto vem no esteio da polêmica envolvendo demonstrações artísticas pelo país. O texto do PL 9019/17 propõe alteração no Estatuto da Criança e do Adolescente acrescentando um artigo na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que passará a vigorar com a proibição.

De acordo com o parlamentar, exposições envolvendo conteúdos eróticos e crianças não geraram polêmica apenas no Brasil. “Não podemos tolerar que crianças e jovens sejam inseridos em manifestações com conteúdos que incentivem pedofilia ou a exploração de menores. Ao redor do mundo, mostras deste tipo também chegam a ser fechadas em meio a críticas. Nossas crianças não precisam ter acesso a conteúdos que despertem a sexualidade fora de hora. Criança precisa ser criança” destaca o autor da proposta.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários