Mais que uma ameaça: vida de Pimentel fica difícil na Almg e deputados mandam recado

Amália Goulart / 08/05/2018 - 05h00

O que começou como uma ameaça ao governador Fernando Pimentel (PT), com o início da tramitação do processo de impedimento na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), já é um pesadelo para o Palácio da Liberdade.

Na prática, a única forma de o petista salvar a aliança com o MDB e de evitar um extenso processo de impeachment é ceder ao presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (MDB), e desagradar, consequentemente, ao grupo de auxiliares mais próximo. O que significa dizer que Pimentel tem poucos dias para convencer a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) a não se candidatar ao Senado, deixando o caminho aberto para Adalclever, e desistir em indicar o secretário da Casa Civil, Marco Antonio Rezende, para a vaga aberta no Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG). Para essa vaga, quem está de olho é o líder do governo, Durval Ângelo (PT). 

O jogo é complexo. Adalclever mostrou que não está disposto a ceder e conta com a simpatia de aliados de Pimentel. Isso porque muitos deputados da base mantêm insatisfação crescente quanto a membros do Executivo. As 62 demissões da Assembleia, de servidores indicados por integrantes do Executivo, por exemplo, foram entendidas na Casa como um claro recado a quatro articuladores do governador: o ex-secretário Odair Cunha (PT), o próprio Marco Antônio Rezende, o secretário de Planejamento Helvécio Magalhães (PT) e Eduardo Serrano, homem de confiança de Pimentel. Para se ter ideia, a esposa de Serrano está entre as exoneradas, bem como a mulher de Paulo Moura, outro petista com cargo no governo que acompanha Pimentel desde os tempos da prefeitura. 
Uma boa notícia para os servidores que batem ponto e foram surpreendidos com as exonerações é a possibilidade de recontratação. Mas nem todos estarão de volta. Alguns dos demitidos receberam telefonemas ontem e no último domingo informando-os sobre a possibilidade de retorno. 

A Assembleia agora está de olho no Diário Oficial para saber se o governo irá revidar. Dentre os aliados do governador existem duas correntes. Uma delas defende o revide imediato, com demissões de indicados dos parlamentares do Estado, especialmente os do MDB. Essa ala acredita que os emedebistas já decidiram abandonar a aliança. 

Já um outro grupo argumenta que não é prudente uma revanche neste momento. Esses interlocutores acreditam que a ação só irritaria ainda mais o grupo de Adalclever, podendo agilizar o processo de impeachment na Assembleia. Até o momento, Pimentel decidiu ouvir esses aliados. 

Hoje, mais um capítulo da batalha entre governo e legislativo terá vez. A Mesa Diretora pode retomar o processo de impeachment suspenso na última semana. Aí, será conferido um prazo para a composição da Comissão Especial. 

Para os desentendidos, fica cada vez mais claro como se faz política em Minas Gerais. 



 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários