Qual a diferença entre Aécio neves e eduardo Cunha?

Amália Goulart / 03/10/2017 - 11h30

O caso do senador Aécio Neves (PSDB) guarda muita semelhança com o afastamento do cargo do deputado Eduardo Cunha (PMDB). 

Ao que tudo indica, o corporativismo combinado, principalmente, com a delicada situação do presidente Michel Temer (PMDB), deve devolver o cargo ao senador Aécio Neves. Hoje, os senadores deverão votar, de forma secreta, se cassam a decisão da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal que retirou o tucano do Senado. Aécio já teria votos suficientes para retornar à Casa. 

O que tornou-se discussão, no momento, não são as acusações (de corrupção) que pesam contra o senador afastado. Mas se o Supremo pode afastar um parlamentar quando não em flagrante. É aí que entra Eduardo Cunha. Em maio do ano passado os 11 ministros do Supremo decidiram manter o afastamento do cargo de Eduardo Cunha (que havia perdido o posto por decisão monocrática do ministro Teori Zavascki). 

Cunha não foi flagrado em conversa telefônica, nem mesmo carregou malas. Mas o contexto pesava contra ele. Perdeu o apoio dos colegas. Ficou caricato. No caso de Aécio, tem o apoio do presidente Temer, que quer salvar-se. E também dos colegas de Senado, grande parte, investigados pela Lava Jato. 


Paradeira
Enquanto o clima na Assembleia Legislativa anda morno, sem quórum para votações e também sem grandes projetos (exceção do orçamento que chegou ontem), deputados aproveitam para fazer o meio de campo com o eleitor. Um parlamentar da oposição informou que a paradeira na Assembleia provoca fuga para as bases eleitorais. Afinal, a eleição é no ano que vem.

Cobrança
Aliados do senador Antonio Anastasia (PSDB) cobram dele uma definição segura sobre o destino político. Esperam ter a resposta quando o tucano retornar da viagem à Rússia, nos próximos dias. Interlocutores dizem que é preciso saber se o tucano vai ou não disputar o governo de Minas para elaborar a campanha de outra liderança, caso Anastasia mantenha posição de permanecer no Senado. O plano B do PSDB e de partidos aliados é mesmo Dinis Pinheiro (PP).

Pindaíba
A Santa Casa de Belo Horizonte será tema de um jantar beneficente para arrecadar R$ 200 mil para a compra de parte dos equipamentos necessários para a abertura de dez leitos do CTI Cardíaco Pediátrico. Cada convite custa R$ 500. O evento será realizado amanhã e terá cardápio assinado pelo chef do Taste-Vin, Rodrigo Fonseca. O jantar é promovido pelas empresárias Christina Coelho e Patrícia Soutto. 

Mudança
Maiores de 18 anos poderão alterar a naturalidade para a cidade onde moram suas famílias, caso seja aprovado projeto do deputado federal Mário Heringer (PDT). Segundo estimativas do governo federal, cerca de 40% das cidades brasileiras não dispõem de infraestrutura de maternidade. “A pedido dos prefeitos, vereadores e munícipes dos milhares de pequenos municípios brasileiros que perderam o registro de seus filhos para municípios maiores apenas por não possuírem serviços de saúde destinados ao parto, apresentamos o Projeto de Lei”, esclarece Heringer.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários