Universidades de Ouro Preto e Viçosa saem da lista das melhores

Amália Goulart / 06/09/2017 - 06h00

As universidades federais de Ouro Preto (UFOP) e Viçosa (UFV) saíram do ranking das 1.000 melhores do mundo, divulgado pela publicação britânica Times Higher Education (THE). No estado, apenas a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) permaneceu no ranking.

O Brasil perdeu nada menos que seis universidades no ranking no último ano (o estudo é feito anualmente). Em 2016, o país tinha 27 escolas superiores. Hoje, são 21. 

A UFMG é a sexta na lista das brasileiras. A primeira na lista é a USP, mas a 251ª no ranking mundial. 
E podemos esperar por mais baixas, já que as universidades tiveram orçamento cortado e deixaram de investir como nos anos dourados da economia brasileira. 

A mostra revela que a educação não é prioridade para o governo federal. Sem boa formação, dificilmente conseguiremos competir economicamente com outros países. 

Lua de mel

O Ministério Público de Minas Gerais parece estar em lua de mel com políticos no estado. O presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (PMDB), será o principal homenageado pela instituição, que entregará a ele o Grande Colar, na próxima segunda-feira, durante entrega da Medalha do Mérito do Ministério Público Promotor de Justiça Francisco José Lins do Rego Santos.

Além de Adalclever, o deputado estadual do PT, Durval Ângelo (líder do governador Fernando Pimentel na Assembleia), e o federal do PMDB, Fábio Ramalho (vice-presidente da Câmara) serão agraciados. Tem medalha também para Alexandre Kalil (PHS), prefeito de Belo Horizonte, João Otacílio Silva Neto, chefe de Polícia Civil do Estado, e Macaé Maria Evaristo dos Santos, secretária de Estado de Educação. 

Só que não

O deputado federal Newton Cardoso Júnior (PMDB) postou no Instagram uma mensagem em comemoração à inclusão do nome dele na lista dos 100 parlamentares mais influentes do Congresso. Ele copiou nota de um jornal e comemorou. Só que Newtinho não está na lista do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Ou seja, não foi desta vez que entrou na lista dos mais influentes.

Minas possui nove parlamentares na lista dos 100 cabeças do Congresso.

PMDB

Os peemedebistas decidiram eleger as direções das comissões municipais em novembro. Os parlamentares e lideranças majoritárias nas regiões serão consultados. A montagem das comissões era motivo de disputa política no PMDB. O partido é um dos que tem maior capilaridade no país. Por isso, ter o apoio das comissões regionais é essencial para as eleições do ano que vem, em que a força do interior pesa na disputa pela Assembleia, Câmara e Senado.

Por falar em PMDB, neste mês a legenda pode mudar de nome. Vai voltar às origens e chamar-se MDB.

 

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários