Você acha que o tríplex era do Lula? 59% dizem sim!

Amália Goulart / 13/05/2017 - 06h00

Pesquisa realizada pelo Instituto Paraná mostra que 59% dos brasileiros acredita que sim, o tríplex é do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para 32,8% dos entrevistados, o imóvel não pertence a ele. Outros 8,2% não sabem ou não opinaram. 
O imóvel tríplex foi o alvo do interrogatório realizado pelo juiz federal Sérgio Moro a Lula na última quarta-feira. O ex-presidente nega que tenha recebido o apartamento como propina da empreiteira OAS, como sugeriu o Ministério Público. 

A pesquisa do Instituto Paraná ouviu 2.540 brasileiros com 16 anos ou mais entre os dias 11 e 12 maio. 

Pimentel indignado
Citado em delações premiadas que figuram no âmbito da “Lava Jato” e investigado na operação Acrônimo, o governador Fernando Pimentel (PT) fez um indignado discurso político em cerimônia que reuniu 106 prefeitos no Palácio da Liberdade ontem. Depois de dizer-se defensor do voto, da democracia, ele afirmou que vivemos “tempos difíceis”. 

“Tempo em que acusações, mesmo mentirosas, mesmo inverossímeis, desacompanhadas de qualquer evidência ou prova material, ganham espaço nos noticiários e transformam o acusado, liminarmente, em culpado. Antes de qualquer procedimento legal, antes de qualquer processo, o sujeito é acusado por alguém e é considerado culpado e começa a ser execrado pelo noticiário político, sem que tenha sido assegurado a ele o menor direito de defesa”, afirmou. 

Segundo o petista, a classe política está sendo execrada. Chegou a citar a ditadura militar. “Porque, se massacrarmos a democracia e a política, não vai sobrar nada nesse país. Nós já vivemos a ditadura e sabemos o que é. E olha que nós estamos nos aproximando perigosamente de um estado de exceção no Brasil, ainda que sob o manto do Estado de Direito”, desabafou.

Pimentel concluiu criticando a política econômica adotada pelo presidente Michel Temer (PMDB) e mandou um recado: não vai aderir ao ajuste fiscal proposto pelo governo federal. “Por isso, Minas Gerais já disse em alto e bom som: nós nos recusamos a fazer ajuste fiscal cortando gasto social. Não vai ser prejudicando o servidor público e a prestação de serviços que nós vamos equilibrar as nossas contas”, disse.

Cultura
Anteontem publiquei aqui a dispensa de três diretores da Fundação Municipal de Cultura da gestão de quase duas dezenas de centros culturais, dentre os quais o Teatro Francisco Nunes. Foram nomeados outros 17 gestores. A notícia gerou burburinho no setor. 

Os três gestores foram dispensados das funções que acumulavam desde as exonerações realizadas pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS), quando assumiu a administração. Eles passaram a acumular funções, às quais foram dispensados nesta semana. Porém, o trio continua nos postos de chefia. Frederico Diniz Oliveira é chefe do Departamento de Coordenação de Centros Culturais, Jefferson da Fonseca Coutinho é diretor das Artes Cênicas e da Música, e Siomara Gomes Faria é chefe de Departamento do MIS - Museu da Imagem e do Som. 

 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários