Um pouco da História da Moda – Parte II

Bianca Ladeia / 15/04/2018 - 06h00

Anos 50:
A década da feminilidade e do glamour. Os vestidos eram amplos, na altura dos tornozelos. Cinturas bem marcadas, sapatos de salto alto, luvas e acessórios luxuosos, como pele e joias. Na maquiagem, o realce era dos olhos, com intensidade nos lábios e palidez na pele, que devia ser perfeita. 

Foi a era da explosão dos cosméticos. As tintas para os cabelos, loções alisadoras e fixadoras estavam no auge entre as mulheres. Os cabelos eram mais curtos, com mechas caindo no rosto e franjas. Os coques e rabos de cavalo eram os penteados da vez. 

Nessa década, a beleza das mulheres era ingênua, chique, sensual e fatal, no estilo pin-ups americanas. 

A alta costura fazia sucesso e essa foi a época mais glamourosa e sofisticada de todas. A estilista Chanel criou o famoso tailleur com guarnições trançadas, a bolsa a tiracolo em metalassê e o scarpin bege com ponta escura. A criação do salto agulha, do salto choque, do bico chato e do quadrado também merece destaque.

No entanto, no final dos anos 50, a alta costura começava a perder terreno para o Prêt-a-porter, que era forte tendência nos Estados Unidos. O surgimento do rock’n’roll fez a juventude norte-americana buscar sua própria moda, surgindo a colegial, em que as moças usavam saias rodadas, calças cigarretes até os tornozelos, sapatos baixos, suéteres e jeans. O símbolo maior da juventude foi a camiseta branca e o blusão de couro e jeans.

Anos 60:
A rebeldia ingênua era demonstrada pelo jovem de blusão de couro, topete e jeans, influenciado pelos ídolos do cinema. As saias rodadas de Dior eram trocadas pelas calças cigarretes. A transformação da moda foi radical. A forma de vestir estava ligada ao comportamento. Os jovens queriam sua moda própria.

A grande vedete dos anos 60 foi a minissaia. As criações de André Courreges foram destaque da época, com suas linhas retas, minissaias, botas brancas, roupas “espaciais” metálicas e fluorescentes. 

Outros destaques foram os vestidos tubinhos de Saint Laurrent, as estampas do italiano Pucci, com variedades nos tecidos, nas estampas e nas fibras. As fibras sintéticas e naturais foram popularizadas e a moda unissex ganhou força com o jeans e camisetas sem gola, seguido do uso da meia calça.

Mesmo com a criação do smoking feminino, a alta costura continuava perdendo terreno. O estilo passou a ter mais importância e o costureiro passou a ser chamado de estilista. 

Os olhos continuavam marcados como nos anos 50 e as perucas ganharam grande destaque. A moda masculina sofreu grande influência dos Beatles, tornando a gola rolê um clássico masculino. 

Começava também o movimento hippie, em que os cabelos ficavam longos e as roupas, supercoloridas.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários