Dois ilustres desconhecidos

Boris Feldman / 23/02/2017 - 15h14

O governo brasileiro desempenha com perfeição o papel de se preocupar com a segurança veicular. Uma das provas deste faz de conta foi sua total leniência e apatia quando air bag e freios ABS se tornaram obrigatórios, há mais de dois anos.

A legislação que passou a exigir as bolsas infláveis foi resultado de um poderoso lobby ativado por uma de suas fabricantes no Brasil. Apesar de ter representado um faturamento de centenas de milhões de dólares anualmente, nem governo nem fabricantes se preocuparam em disparar uma campanha pública de esclarecimento. Deviam estar mais preocupados em contabilizar o enorme lucro auferido às custas do consumidor brasileiro e não podiam perder tempo com estes detalhes...

O motorista sabe que air bag é uma bolsa que se infla quando o carro é submetido a um impacto. E que o sistema ABS evita de o carro deslizar quando o motorista pisa para valer no pedal do freio. Nada além.

A rigor, ABS e air bag são dois ilustres desconhecidos e não se tem a mínima noção de como funcionam nem os cuidados que exigem. Motorista reclama, por exemplo, da bolsa que não se inflou quando o carro capotou lateralmente. Ninguém explicou que os air bags frontais só funcionam no caso de o carro ser submetido a um impacto frontal. No caso de um choque lateral, só se tiver também as bolsas laterais ou de cortina. Ninguém se preocupa em manter uma distância mínima dos air bags, pois não houve nenhuma orientação a respeito. Motorista ignora que deve manter pelo menos 25 cm de distância do volante. Passageiro tem que ficar a pelo menos 40 cm do painel onde está o air bag. Ocupantes de automóveis que se acidentaram já se feriram (e houve até morte) por estarem muito próximos das bolsas.

Freio com o sistema ABS é outro mistério também por pura falta de informação. Muitos motoristas se assustam, por exemplo, com a trepidação provocada pelo ABS no pedal. E, ao invés de aumentar a pressão do pé, soltam o pedal.

Outros motoristas reclamam que o ABS não funcionou quando o carro escorregou numa curva mais fechada e chegou a sair da pista. Nem imaginam que o dispositivo de freio não tem nada a ver com isso: o que segura o carro que ameaça deslizar lateralmente é o sistema eletrônico de estabilidade, o ESC.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários